Despedida

Morre no Rio o médico pelotense José Carlos de Morais

Ele foi precursor em 1978 do tênis em cadeiras de rodas no Brasil

04 de Julho de 2020 - 16h39 Corrigir A + A -
O Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) publicou uma nota de pesar pelo falecimento do atleta. (Foto: Divulgação CPB)

O Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) publicou uma nota de pesar pelo falecimento do atleta. (Foto: Divulgação CPB)

Morreu na sexta-feira (3) o médico pelotense José Carlos Oliveira de Morais, 73 anos. Ele morava em Niterói, no Rio de Janeiro, e foi vítima de um infarto. Sua trajetória é marcada pela superação. Após ter sido atingido por um tiro durante um assalto um dia antes de sua formatura na faculdade, em 1972, Moraes foi precursor do tênis em cadeiras de rodas no Brasil, seis anos depois. Segundo o amigo, o jornalista pelotense José Cruz, seu feito foi reconhecido pelo tenista Guga Kuerten, que o homenageou publicamente.

Professor do Departamento de Patologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, José Carlos participou de três paralimpíadas e nove Copas do Mundo em cadeira de rodas. Escreveu o livro autobibliográfico “Roda vida: memórias de um cadeirante”, lançado em vários estados.

O Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) publicou uma nota de pesar pelo falecimento do atleta Morais, do tênis em cadeira de rodas. O tenista integrou a delegação brasileira nos Jogos Paralímpicos de Atlanta 1996, quando disputou na categoria simples e nas duplas ao lado de Francisco Reis Júnior. Ele também representou a Seleção em alguns campeonatos mundiais. O tenista deixou dois filhos adotados, Joana e Rafael, e a esposa Marta.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados