Gauchão 2020

Ganhar ou ganhar o Bra-Pel

Vitória no clássico Bra-Pel virou fundamental para o Pelotas virar a página do Gauchão e mirar na Série D do Brasileiro

31 de Julho de 2020 - 13h01 Corrigir A + A -

Por: Vinícius Guerreiro
vinicius.guerreiro@diariopopular.com.br

Lobo terá um bom tempo para treinar até a estreia na Série D, em setembro (Foto: Tales Leal/ECP)

Lobo terá um bom tempo para treinar até a estreia na Série D, em setembro (Foto: Tales Leal/ECP)

O Pelotas não tem como apagar a má campanha do Gauchão deste ano. Inclusive, o Lobo não poderá sair do Z-2, o que acarretará em uma cota menor na temporada que vem. Porém, o Áureo-cerúleo quer utilizar a última partida deste Campeonato Gaúcho para virar a chave e reencontrar o caminho da vitória. Na Boca do Lobo, o clássico Bra-Pel deste sábado (1º), que deve ocorrer às 15h, ganhou peso de decisão.

“O principal para o Pelotas, como foi nas outras partidas, é ganhar o jogo. É o clássico, como se fosse outra partida a gente iria jogar para ganhar, e a gente tem que ganhar. Chegou a hora do Pelotas fazer os três pontos no campeonato. Aquela vitória contra o Juventude já faz muito tempo e o Pelotas tem que voltar a ganhar. Tem que voltar a ter uma cara de time vencedor, é isso que queremos levar para a Série D”, afirmou o vice-presidente de futebol do clube, Luciano Alves.

Apesar do entendimento dentro da Boca do Lobo que as apresentações foram superiores aos resultados, no Bra-Pel só o rendimento não bastará. O Lobo quer utilizar o confronto contra o Brasil para amenizar o sofrimento do torcedor nos últimos meses. A última, e única vitória na temporada, ocorreu no início de fevereiro.

“O clássico não é para ser jogado, é para ser ganhado. A gente espera ganhar. Fazer uma apresentação boa como a gente acha que fez contra o Caxias e perdeu, fazer uma apresentação com garra como a gente fez ontem diante do São José e perdeu. Talvez não seja suficiente para aplacar um pouco da tristeza que está a torcida”, analisou o dirigente.

Futuro

As vitórias passam pelas ideias que Ricardo Colbachini apresentou em campo nos dois jogos. O entendimento rápido do grupo chegou a surpreender o dirigente. Alves revelou que gostou do que viu em campo, apesar dos resultados ainda não terem aparecido.

“O resultado não foi o que nós esperávamos. No primeiro jogo, até tomarmos gol do Caxias, em muitos momentos fomos superiores. A gente nota uma nova organização na equipe. Um time que toca a bola e não dá balão, um time que tenta propor o jogo. Pagamos nos dois jogos pelo pouco tempo de preparação”, ressalta.

Após o clássico deste sábado, o Pelotas terá até setembro para treinar. O período será essencial para a evolução da equipe. O clube também aguarda os novos reforços que estão disputando os estaduais. Por fim, Alves promete ao torcedor uma equipe que irá resgatar as vitórias.

“A gente tem um time que nós esperamos que vá fazer um bom jogo no sábado, no clássico, mas que estamos preparando para a Série D. Com esse elenco e mais os reforços que vão vir, vamos fazer um bom papel”, afirmou.

Arbitragem
A arbitragem para o Bra-Pel está definida. A FGF apontou o árbitro Anderson Daronco como comandante da partida na Boca do Lobo. Ele será auxiliado por Lúcio Flor e José Eduardo Calza.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados