Série B

Expectativa x Realidade

Técnico Bolívar terá o retorno de Branquinho no setor ofensivo, mas aproveitamento do lateral esquerdo Willian Formiga ainda não será possível contra o Coritiba

12 de Agosto de 2019 - 14h25 Corrigir A + A -
Atacante estará à disposição contra o Coritiba. (Foto: Gustavo Santoum/AI GEB)

Atacante estará à disposição contra o Coritiba. (Foto: Gustavo Santoum/AI GEB)

Tem sido difícil para o técnico Bolívar escalar a equipe do Brasil. Duas posições preocupam mais: a lateral esquerda e o lado direito de ataque. A expectativa do treinador era contar com Willian Formiga e Branquinho para sanar os dois problemas. Já a realidade contempla apenas 50% do desejo do comandante, pelo menos para a partida de amanhã contra o Coritiba, às 21h30min, no estádio Couto Pereira.

Um imbróglio na documentação novamente tirou a possibilidade do lateral esquerdo Willian Formiga aparecer no Boletim Informativo Diário da Confederação Brasileira de Futebol na data de hoje. Por conta disso, não haverá tempo para a sua regularização, o que leva Bolívar a manter Ednei improvisado na esquerda. Pará segue no período de retreinamento, assim como o meio-campista Pereira.

A boa notícia fica por conta do retorno de Branquinho ao setor ofensivo. O atacante sentiu um desconforto muscular no segundo tempo do empate em 1 a 1 com o Cuiabá, em jogo válido pela 12ª rodada da Série B. Com as excelentes atuações do jovem Cristian, autor dos últimos dois gols rubro-negros na competição, Branquinho disputa uma vaga com Murilo Rangel pela titularidade no lado direito.

Ainda buscando implementar sua ideia de futebol, Bolívar continua sendo refém das poucas opções que tem à disposição no momento. Com Elias apresentando um futebol muito abaixo do esperado, o treinador precisou encontrar espaço para dois meias armadores no time: Diogo Oliveira e Murilo Rangel.

Rangel, aberto na direita, procura bastante Diogo, centralizado. Apesar do bom posicionamento, a falta de velocidade no setor tem sido uma preocupação constante da comissão técnica. Como apenas Cristian tem essa característica, a equipe xavante abusou das ligações pelo lado esquerdo, o que facilitou o trabalho de marcação nas últimas partidas. Por conta disso, a volta de Branquinho é tratada como "muito importante" no grupo rubro-negro.

Os resultados, por outro lado, mostram que o Brasil tem vendido caro a derrota, principalmente em jogos fora de casa. A última vez em que o Xavante foi derrotado longe do Bento Freitas foi no dia 14 de maio, quando perdeu por 1 a 0 para o Figueirense. Desde então, foram duas vitórias e três empates, totalizando nove pontos de 15 possíveis, num aproveitamento de 60%.

Dois resultados do final de semana não foram bons para o Xavante. A vitória do Criciúma em casa por 1 a 0 diante do Sport fez o time catarinense subir para a 15ª posição, com 16 pontos. O Vitória também venceu em casa o Paraná por 2 a 0 e chegou aos 14 pontos, na 17ª colocação, o que fez a diferença da zona de rebaixamento cair de cinco para quatro pontos. O Brasil é o 13º, com 18. 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados