Copa Seu Verardi

Conhecedor de finais

Pilar da intensidade do Pelotas, técnico Picoli busca o segundo título na carreira neste sábado contra o São José

22 de Novembro de 2019 - 09h33 Corrigir A + A -

Por: Vinícius Guerreiro
vinicius.guerreiro@diariopopular.com.br

Picoli tem quatro finais de copas regionais no currículo 
 (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Picoli tem quatro finais de copas regionais no currículo (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Em dez anos de carreira, o técnico Picoli irá para a quarta final de copas regionais. O treinador busca na Boca do Lobo o segundo troféu como comandante. O primeiro ocorreu com o Juventude em 2011, no primeiro trabalho em uma casamata. Depois, ficou com vice na Copa Paulista, em 2017, e Catarinense no ano passado. Busca no Pelotas retomar a glória do começo da carreira.

O treinador chama, para os treinadores, de traiçoeiras as copas regionais. Caso não ganhe, há cobrança. Caso vença, há a diminuição por ser considerado uma "copinha". Porém, Picoli sabe da importância que elas têm para os times do interior, pois sempre dão uma vaga para alguma competição nacional. Essa mentalidade de campeão foi o primeiro ponto que trabalhou quando assumiu o Lobo em meio à Copa Seu Verardi. Não há dúvidas que o fator Picoli tornou-se essencial para que o áureo-cerúleo chegasse com a maturidade e com a vantagem de 2 a 0 que terá na decisão deste sábado, às 15h, no Passo D'Areia contra o Zequinha.

"Para você ser campeão, primeiro você precisa se comportar como tal. E você não pode esperar uma final para ser campeão na final. O campeão só concretiza ali. Ele vai passo a passo merecendo a condição de jogar uma final e postular o título. E esse sim foi o ponto que nós atacamos desde o princípio. Nós não tínhamos ideia quando teríamos a possibilidade de conquistar uma das vagas em competições nacionais. Por isso foco no título. Desde o princípio tem sido conversado com os atletas sobre adquirir comportamento de campeão. Campeão não encontra desculpa, ele vai atrás de solução", afirmou o comandante azul e ouro.

O grande mérito da comissão técnica, na visão de Picoli, foi conseguir convencer os atletas deste desejo pela taça. "Talvez o grande mérito tenha sido convencer os atletas, ter um poder de convencimento que era possível buscar algo grande dentro dessa que é a nossa principal competição", disse.

A partir desse desejo de ganhar, Picoli potencializou o time áureo-cerúleo. O próprio treinador reconhece a boa base de trabalho deixada por Felipe Endres e que facilitou a implementação da ideia de futebol que gosta.

"Conseguimos de uma maneira inteligente aproveitar uma base bem construída de trabalho e colocar aos poucos a nossa ideia. Não tão aos poucos, talvez demos uma intensificada. Corremos o risco de subir um pouco a intensidade, de perder alguns atletas. Mas, por outro lado, a adaptação foi tão rápida em cima dessa base bem feita que nos possibilitou tomar cuidado em outros pontos que tínhamos que melhorar. E essa evolução aconteceu", analisou.

Mudança
Apesar de reconhecer a maturidade da equipe, Picoli quer uma mudança de atitude no segundo jogo da final. Usou a expressão "faísca mais alta" do que a partida na Boca do Lobo. O treinador revelou que não tinha estratégia ou pensamento de recuar diante do Zequinha. A postura do time em campo aconteceu por questões de comportamento e méritos do adversário. É exatamente no comportamento que o treinador tem focado os dias de treino que antecipam a final deste sábado. Quer um time mais agressivo pela posse de bola e que não perca tanto as segundas bolas como ocorreu na partida de ida.

"Precisamos fazer o nosso jogo com um pouco mais de eficiência. Nós não brigamos por segunda bola. Tivemos muitas dificuldades. A segunda bola é a bola do jogo. Se encontrarmos de encurtar mais rápida, se tivermos efetividade nestes comportamentos, provavelmente teremos um pouco mais de controle", afirmou Picoli.

Treino
O Lobo treinou às 15h desta quinta-feira (21) para adaptar-se ao horário da partida contra o Zequinha no sábado. Nesta sexta irá realizar a última atividade às 11h, novamente de portões fechados, e às 13h desloca-se para Porto Alegre.

 

 

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados