Série D

Com padrão e novos atletas

Marcílio Dias, primeiro adversário do Pelotas, manteve a base do Catarinense e contratou nove reforços

16 de Setembro de 2020 - 10h11 Corrigir A + A -

Por: Vinícius Guerreiro
vinicius.guerreiro@diariopopular.com.br

Marcílio Dias parte do 4-3-3 atacando com os pontas invertidos e abrindo espaço para os laterais (Foto: Reprodução)

Marcílio Dias parte do 4-3-3 atacando com os pontas invertidos e abrindo espaço para os laterais (Foto: Reprodução)

Com Daniel recuando junto aos zagueiros, laterais avançam bastante corredor (Foto: Reprodução)

Com Daniel recuando junto aos zagueiros, laterais avançam bastante corredor (Foto: Reprodução)

Marcílio Dias marca no 4-4-2 com encaixes mais longos na defesa  (Foto: Reprodução)

Marcílio Dias marca no 4-4-2 com encaixes mais longos na defesa (Foto: Reprodução)

O Marcílio Dias contratou nove reforços para a Série D do Brasileiro em relação ao time que foi eliminado para o Criciúma nas quartas de final do Catarinense. Na fase classificatória, a equipe de Itajaí finalizou em quarto lugar. Apesar das contratações, o técnico Moisés Egert deverá manter a base e o padrão de jogo apresentado no campeonato estadual. O Diário Popular traz uma análise do primeiro rival do Pelotas na competição nacional que inicia neste sábado, às 15h, na Boca do Lobo.

Ataque

O Marcílio Dias parte do 4-3-3 com os pontas jogando mais por dentro e deixando os corredores para os laterais. A diferença em relação ao time que jogou as quartas de final é que Marllon, recém contratado junto o Juventus-SC, deverá atuar como meia esquerda. Diante do Criciúma, os pontas Nathan e Léo Santos variaram na função.

Apesar de partir do 4-3-3, o Marcílio acaba atacando mais em uma espécie de 3-4-3, pois o volante Diego, que possui boa capacidade no passe, recua junto aos zagueiros para fazer a saída. Assim os laterais avançam bastante pelos lados do campo, ficando praticamente em linha com os meias Marllon e Diego Silva. Enquanto o primeiro é organizador, o segundo é um jogador de força e de fazer o vai-e-vem pelo corredor central. Tem dificuldade de um jogo mais apoiado.

O Marcílio não apresenta um jogo por dentro muito eficiente. Apesar de tentar ocupar os espaços com os pontas - que jogam com os pés invertidos -, os dois meias e, por vezes, com o zagueiro Magrão ou volante Daniel avançando, a equipe tem dificuldade no setor. A principal força ofensiva é pelos lados em duas situações: quando consegue se posicionar no campo ofensivo e abrir essa bola para o cruzamento, assim ataca bem a área adversária com vários jogadores, ou buscando a bola mais longa para os atacantes atacarem o espaço.

Defesa

O time catarinense marca no 4-4-2 em duas linhas. Varia entre pressão alta, em alguns momentos, por encaixe, mas na maioria das vezes marca em bloco médio. A pressão alta tem boa execução pela linha ofensiva, porém o time fica muito espaçado com a linha de defesa longe do restante da equipe.

As perseguições por encaixes são curtas nos homens de frente e acabam sendo mais longas nos defensores. Em vários momentos Diego, o primeiro volante, acaba saindo da frente da área e perseguindo os meias adversários, deixando as costas livres. Os zagueiros também acabam perseguindo bastante os atacantes e não há a ocupação do espaço deixado pelo zagueiro por outro companheiro para recompor a linha, o que facilita a infiltração adversária.


Destaques e desfalques
Hélio Paraíba chegou ao Marcílio em meio à pandemia da Covid-19 e jogou apenas os dois jogos contra o Criciúma. Verdade que o centroavante perdeu um pênalti na partida decisiva das quartas de final e ainda não fez gol na temporada. Mas isso não faz com que ele não seja um dos destaques da equipe. O centroavante teve boa média de gols por onde passou.

Outro nome para ficar de olho é Marllon. O meia ofensivo foi um dos destaques do Juventus de Jaraguá, que chegou à semifinal do Catarinense.

Para a partida contra o Lobo, o Marinheiro não terá o lado esquerdo da defesa titular. O lateral Paulinho e o zagueiro Wallace estão machucados. Recife e Luan devem ser os substitutos. O segundo ainda briga pela posição com o recém chegado Lucas Castilhos, que estava no Asa Arapiraca.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados