Série B

Campeonato à parte

Brasil faz clássico contra o Juventude às 19h15min na Baixada visando garantir a permanência e, de quebra, frustrar o sonho do acesso do rival

12 de Janeiro de 2021 - 12h59 Corrigir A + A -

Por: Vinícius Guerreiro
vinicius.guerreiro@diariopopular.com.br

No primeiro turno, o Brasil venceu o Juventude em Caxias (Foto: Jô Folha - DP)

No primeiro turno, o Brasil venceu o Juventude em Caxias (Foto: Jô Folha - DP)

Enquanto seus arquirrivais disputam divisões distantes, Brasil e Juventude foram criando uma rivalidade ao longo dos últimos anos. O encontro entre pelotenses e caxienses virou um verdadeiro clássico gaúcho que nessa terça-feira (12) à noite ganhará mais um capítulo, pela 34ª rodada do Brasileiro da Série B. O Xavante entra em campo às 19h15min, no Bento Freitas, com o objetivo de vencer e chegar aos 47 pontos que sacramentariam a permanência da equipe na competição. Em paralelo a isso, o Rubro-negro também pode dificultar a vida do Ju na briga pelo acesso, algo que certamente será comemorado pelo torcedor xavante.

O histórico é totalmente favorável ao Brasil. Afinal, pela Série B, o Xavante nunca foi derrotado pelo Jaconero. Aliás, nos últimos 15 jogos o Brasil venceu sete, empatou seis e perdeu apenas duas vezes. No último encontro, o Rubro-negro venceu em pleno Alfredo Jaconi pelo primeiro turno da Série B.
Na coletiva pós-derrota para o Avaí, o técnico Cláudio Tencati não quis criar uma rivalidade e aumentar a pressão para o confronto ao ser questionado sobre a invencibilidade do Rubro-negro.

“A gente quer ganhar o jogo, independentemente de ser o Juventude ou não. Isso é para bastidor de imprensa e torcedores, é desnecessário nesse momento. É preciso pensar passo a passo. Não vou fazer retrospecto, precisamos fazer nosso papel independentemente se é Juventude, Grêmio ou Inter. Quando pisa no Bento Freitas, o Brasil tem que ganhar”, disse o treinador.

Campo
Como o clube pelotense não divulga os boletins da Covid-19, o time que entrará em campo é uma incógnita. A tendência é que Tencati tenha à disposição os quatro primeiros infectados do surto que atingiu dez atletas. Seriam eles Simião, Mateus Mendes, Ananias e Bruno José. Destes, o único que deverá começar jogando é Bruno José, na vaga de Rafael Vinícius, expulso no último confronto.

Assim, o Xavante alteraria a plataforma tática, saindo do 4-1-4-1 para o 4-2-3-1, com Matheus Oliveira atuando como meia central e Bruno José e Matheuzinho como pontas.

Papo
Enquanto o Xavante entra de sangue doce, apesar de ainda precisar somar pontos para garantir matematicamente a permanência, o Juventude entra pressionado ao brigar pelo acesso. O Jaconero precisará se recuperar da derrota para o Cuiabá na última rodada se quiser seguir sonhando com a Série A. O jornalista pelotense, que trabalha em Caxias, Pedro Petrucci, alerta para a regularidade do Ju na tabela, mas também chama a atenção para um desempenho ofensivo em queda.

“O Juventude faz uma campanha regular em termos de resultados. Desde a 11ª rodada tem se mantido, no mínimo, na 5ª colocação - sempre em condição de briga pelo G-4. Contudo, o desempenho da equipe, especialmente fora de casa, caiu nas últimas rodadas. Desde a saída de Breno e Dalberto, artilheiros do time, e a lesão de Wagner, o ataque não encaixou. Capixaba, Grampola, Matheuzinho, Everton, Rafael Silva... todos passaram pelo setor, mas nenhum se afirmou”, analisou o jornalista.

Pintado terá o retorno do zagueiro Wellington, que volta de suspensão. O lateral esquerdo Eltinho e o próprio técnico Pintado estão suspensos pelo 3º amarelo. Capixaba deixou o jogo contra o Cuiabá machucado, mas se recuperou e deve iniciar como titular. A tendência é que a formação com três atacantes seja retomada, com a entrada de Grampola como centroavante.

Apesar de um ataque irregular após a saída de Dalberto e Breno para times da Série A, o clima no Alfredo Jaconi é de confiança no acesso.

“Os torcedores mais ativos do Juventude vivenciaram - ou são filhos de quem vivenciou - o período do clube na Série A do Brasileirão, entre 1994 e 2007. Nessa mistura de nostalgia com vontade de crescimento, há uma grande ansiedade pelo retorno do clube à elite do futebol nacional. Desta vez, diferente dos últimos anos em que o Ju disputou a Série B, a diretoria também adotou o discurso de acesso, e isso tem colaborado para o Alviverde chegar nas últimas rodadas brigando por um lugar no G-4”, disse Petrucci.

Ficha técnica
Brasil: Rafael Martins; Felipe Albuquerque, Diego Ivo, Héverton e Bruno Santos; Sousa, Pablo e Matheus Oliveira; Bruno José, Matheuzinho e Luiz Henrique. Técnico: Cláudio Tencati

Juventude: Marcelo Carné; Igor, Wellington, Émerson e Hélder; João Paulo, Bochecha e Renato Cajá; Capixaba, Rogério e Rafael Grampola. Técnico: Pintado

Local: Bento Freitas
Horário: 19h15min
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro




Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados