Indefinição

Brasil paralisa atividades da base

Clube busca reduzir despesas enquanto torneios de categorias inferiores não são confirmados

22 de Junho de 2021 - 22h34 Corrigir A + A -
CFA Xavante só poderia receber novas partidas quando competições forem confirmadas (Foto: Gustavo Pereira - DP)

CFA Xavante só poderia receber novas partidas quando competições forem confirmadas (Foto: Gustavo Pereira - DP)

Os impactos da pandemia seguem reverberando em todas as áreas. No caso do Grêmio Esportivo Brasil, esta semana marcou o desligamento de grande parte dos funcionários exclusivos das categorias de base. O objetivo? Reduzir despesas diante das dificuldades econômicas atravessadas pelo clube, já que os torneios de base ainda não foram reiniciados.

Em contato com a reportagem do Diário Popular na tarde desta terça (22), o presidente Nilton Pinheiro tratou a decisão como fruto do cenário econômico vivido pelo Xavante. ‘’É uma reformulação a nível de clube. A categoria de base é um ativo do clube e precisa estar adequada às nossas necessidades. A pandemia atingiu todo mundo, e não tem como manter um grupo sem competição. Assim que tivermos um retorno à normalidade, retornam também os trabalhos’’, disse.

As indefinições sobre o futuro próximo passam diretamente por negociações envolvendo possíveis parceiros capazes de injetar dinheiro para reativar o departamento. ''Estamos conversando com vários investidores para satisfazer as necessidades do clube. Precisamos pensar na viabilidade do Brasil a curto, médio e longo prazo. A identidade também precisa ser mantida’’, explicou Nilton.

Um dos profissionais mantidos no quadro rubro-negro é Fábio Borba, coordenador geral das categorias de base. Seguindo a mesma linha do presidente, ele comentou que os próximos passos dependem da divulgação do calendário de campeonatos estaduais e nacionais nos quais o Brasil estava entre os participantes.

‘’Nossa ideia é aguardar o começo das competições que estão para vir, como o Gauchão Sub-20 e a Copa do Brasil Sub-17, avaliando para encaixar o clube nesses torneios’’, conta Fábio. O Estadual, por exemplo, tem previsão de começo para agosto, mas outras projeções anteriores não se confirmaram devido ao agravamento da pandemia. Torneios de base não têm a mesma capacidade financeira de garantir a segurança sanitária dos atletas e dos profissionais atuantes nos jogos e treinamentos.

Vale lembrar que, se desistir do Gauchão ou da Copa do Brasil, o Xavante corre o risco de sofrer sanções das entidades organizadoras – FGF e CBF, respectivamente. Ainda assim, a ideia do clube é aguardar informações concretas para reformular as comissões técnicas. Foram justamente esses profissionais, entre treinadores, preparadores físicos e preparadores de goleiros, sobretudo, os mais afetados pelas demissões recentes.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados