Série B

Ambiente favorável

CRB, adversário xavante desta terça, perdeu quatro seguidas em casa e é o segundo pior mandante da Série B do Brasileiro

08 de Setembro de 2019 - 19h15 Corrigir A + A -

Por: Vinícius Guerreiro
vinicius.guerreiro@diariopopular.com.br

Nirley pode jogar como titular no Rei Pelé nesta terça-feira (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Nirley pode jogar como titular no Rei Pelé nesta terça-feira (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Há lógica, mas não há garantia no futebol. Caso não houvesse fatores surpresas e as imprevisibilidades do mundo da bola, poderíamos declarar o Xavante como favorito contra o CRB nesta terça-feira (10), às 18h45min, pela abertura da 22ª rodada. Isso ocorre pois o time de Maceió é o segundo pior mandante da Série B do Brasileiro e tem dificuldades de propor jogo contra equipes que marcam mais atrás, que é justamente o caso do Brasil em jogos fora de casa.

O CRB perdeu os últimos quatro jogos em casa. Na última rodada até saiu na frente, mas viu o Paraná virar a partida. A torcida protestou no fim. Foram apenas três vitórias diante deles na competição, metade das seis derrotas que a torcida observou de perto até aqui. Dois empates completam os 11 jogos do CRB como mandante. Marcando 11 gols e sofrendo 16.

Os números ruins no Rei Pelé passam pela postura da equipe. É um time que venceu seis partidas fora de casa, pois rende melhor jogando no contra-ataque e por isso é o time com melhor campanha como visitante, somando os 19 dos 30 pontos. O jornalista Smack Neto, de Maceió, afirma que a equipe é dependente de um jogador bem conhecido do torcedor rubro-negro: Alisson Farias.

"(Há) Uma certa dificuldade em propor jogo. Quando joga fora de casa, joga com as linhas bem baixas, explora o contra-ataque, o escape é o Alisson Farias pela esquerda. O time também sente muito quando o Ferrugem não joga, pois ele é o cara que faz o área a área. É um time que o elenco é montado de forma bem reativa e nesses momentos que precisa propor jogo sente dificuldade. A maioria dos gols em casa são de contra-ataque ou bola aérea, sendo a bola aérea forte com os zagueiros. Léo Ceará é bom batedor de falta", analisou.

Ferrugem não deverá enfrentar o Brasil. O volante está lesionado e não jogou contra o Paraná. Quem pode ser a novidade é Edson Cariús. O centroavante contratado junto ao Ferroviário foi regularizado e deve estrear nesta terça.

Defesa
Outro ponto negativo do CRB é o sistema defensivo. A equipe de Maceió é a que mais cede finalizações na Série B. Foram 336 em 21 jogos. Uma média de 14,9 chutes por jogo. Dessas finalizações, os anfitriões levam em casa 1,45 gols por jogo. Em comparação, o Brasil sofre 10 chutes por jogos na Baixada e a média de gol de 0,75.

A estratégia do Brasil é utilizar-se justamente desse momento dos mandantes para sair com os três pontos. "Um jogo importante, em que precisamos manter um bom desempenho. Sabemos que vamos enfrentar uma equipe muito próxima da nossa pontuação e que não vem passando por bons resultados dentro de casa. A cobrança está sendo muito grande por parte do torcedor. Temos que saber jogar em cima disso e do desespero do adversário", afirmou o técnico Bolívar.

 

 

 

 

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados