Série B

A meta é pontuar

Brasil enfrenta o Operário-PR neste sábado, às 19h, para recuperar pontos perdidos em casa nas últimas rodadas

05 de Outubro de 2019 - 12h03 Corrigir A + A -
Empate com o Guarani ainda está engasgado  (Foto: Paulo Rossi - DP)

Empate com o Guarani ainda está engasgado (Foto: Paulo Rossi - DP)

Os empates diante de Figueirense e Guarani no estádio Bento Freitas não caíram bem aos olhos e ouvidos dos rubro-negros. Dos seis pontos disputados na Baixada, o Brasil acabou ficando com apenas dois, pontuação considerada insuficiente pela projeção do clube na busca pelo número de segurança para a permanência na Série B. Por conta disso, recuperar os pontos que escaparam nos jogos em casa é a principal meta da delegação que está em Ponta Grossa para enfrentar o Operário-PR neste sábado (5), às 19h, no estádio Germano Krüger.

Para completar a missão, a equipe do técnico Bolívar vai precisar superar o forte retrospecto do adversário em seus domínios, dono da segunda melhor campanha como mandante da competição. Dos 12 jogos em casa, o Operário-PR venceu nove, empatou dois e perdeu apenas um, o que representa um incrível aproveitamento de mais de 80%, números que traduzem a dificuldade a ser enfrentada em solo paranaense.

Enquanto o time de Gerson Gusmão é um dos melhores atuando em casa, o de Bolívar não costuma ser um visitante indesejado. Em 12 jogos disputados longe do Bento Freitas, o Xavante somou apenas dez pontos, aproveitamento de 27,8%. Foram duas vitórias fora de casa na competição, a última delas no dia 13 de julho contra o Botafogo-SP, com Gustavo Papa no comando interino da equipe. Antes disso, os rubro-negros venceram o Guarani por 2 a 1, em Campinas, quando o treinador ainda era Rogério Zimmermann.

Desde que assumiu a casamata, Bolívar ainda não conheceu a vitória fora de casa. Em entrevista coletiva antes da viagem para Ponta Grossa, o treinador utilizou os jogos contra Sport, Cuiabá e Atlético-GO como padrão a ser repetido pela equipe nas próximas partidas.

"Nos últimos jogos fora de casa, Sport, Cuiabá, Atlético-GO não erramos e conquistamos pontos. Tivemos até a oportunidade de vencer as partidas. E nos jogos que perdemos foi em desatenções nossas, até mais do que mérito dos adversários. Mostramos isso pros jogadores. Temos que ir dessa forma contra o Operário-PR. Sabemos da qualidade deles, mas temos que desempenhar bem nosso papel e estarmos focados os 90 minutos", emendou.

Para tentar surpreender o Operário-PR, Bolívar aposta na manutenção da formação utilizada diante do Guarani com exceção de Eduardo Person, que está fora por conta do terceiro cartão amarelo. De volta, o capitão Leandro Leite fará a dupla de volantes com Carlos Jatobá.

Convicto no poder de marcação de Murilo Rangel, o treinador voltou a elogiar o meio-campista considerado peça chave para a recomposição defensiva da equipe. Por conta disso e das movimentações da semana, sua presença entre os titulares é certa. Ainda assim, Bolívar testou Cristian e Ari Moura no setor, caso veja a possibilidade de um Brasil mais agressivo no decorrer dos 90 minutos.

A partida contra o Operário-PR é também o pontapé para uma sequência desgastente - e decisiva - para o Brasil. Em 15 dias, serão cinco jogos e 15 pontos a serem disputados pela Série B. Criciúma (fora), Botafogo-SP(casa), Paraná(fora) e Sport(casa) estarão no caminho rubro-negro neste ciclo.

Dinheiro a caminho?
Em entrevista à Rádio Universidade, o presidente da Federação Gaúcha de Futebol, Francisco Novelletto, admitiu que recebeu uma resposta positiva da CBF em relação à última parcela das cotas de televisionamento da Série do ano passado, não paga por conta de um imbróglio do Coritiba com a detentora dos direitos de transmissão que, por uma cláusula do contrato com a CBF, descontou 1/20 avos do valor repassado aos clubes, algo equivalente a R$ 470 mil.

"O caso do Brasil é sério. Só eu sei e os dirigentes sabem o que a FGF faz pelo clube, que podia estar pior que o Figueirense. Tenho brigado na CBF. A bronca com o Coritiba fez com que não pagassem pra todos essa última parcela do ano passado. Existe um gatilho também que seria pago aos clubes no final do ano. O dinheiro que está faltando ao Brasil está retido. Estou tentando conseguir liberar essas verbas e me prometeram que vão liberar. Talvez até o fim da semana tenhamos uma notícia positiva", emendou o também futuro vice-presidente da CBF.

Gauchão
Novelletto também adiantou o esboço da fórmula do Campeonato Gaúcho do ano que vem. Serão dois turnos e dois grupos com seis clubes, com cinco rodadas cada. Dois de cada chave avançam para jogos únicos de semifinal e final. Em caso de equipes diferentes ganharem os turnos, uma final em dois jogos definirá o Gauchão. O limite de datas dos estaduais foi reduzida pela CBF de 18 para 16 na próxima temporada.

"Foi um estresse muito grande. Estamos negociando desde o fim do Gauchão. Existe um projeto da TV e dos clubes de Série A de acabarem com os estaduais. Só o Brasil tem 27 Federações e Campeonatos Estaduais fortíssimos, nenhum outro lugar no mundo tem isso. O Campeonato Gaúcho paga mais de 10 milhões de doláres. O uruguaio para se ter uma ideia paga 12. Tivemos que mudar a fórmula junto a TV. Ela quer emoção, quer taça, quer decisões. Foi um exigência dela", apontou.

O contrato com a detentora dos direitos da competição foi renovado por dois anos. Outras questão da fórmula como o rebaixamento, por exemplo, serão discutidas apenas no Congresso Técnico, inicialmente previsto para o mês de novembro.

Ficha Técnica

Operário-PR - Rodrigo Viana; Mailton, Lázaro, Rodrigo e Julinho (Alan Vieira); Jardel, Índio, Marcelo
Cleiton e Felipe Augusto; Lucas Batatinha. Técnico: Gerson Gusmão

Brasil - Carlos Eduardo; Ricardo Luz, Bruno Aguiar, Leandro Camilo e Pará; Leandro Leite, Carlos Jatobá, 
Murilo Rangel. Diogo Oliveira e Rodrigo Alves;  Guilherme Queiroz. Técnico: Bolívar

Árbitro: Diego da Costa Cidral
Quando: neste sábado, às 19h
Local: estádio Germano Krüger


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados