Ganho

Vendas de Natal superam projeções em Pelotas

Levantamento do Sindilojas aponta crescimento de 4,3% no comércio em comparação ao mesmo período de 2018

27 de Dezembro de 2019 - 10h53 Corrigir A + A -

Por: Maria da Graça Marques
graca@diariopopular.com.br 

Com fluxo muito menor de consumidores, área central viveu o dia da troca (Foto: Paulo Rossi - DP)

Com fluxo muito menor de consumidores, área central viveu o dia da troca (Foto: Paulo Rossi - DP)

A troca por defeito no produto comprado por Maria Megiato foi feita na hora (Foto: Paulo Rossi - DP)

A troca por defeito no produto comprado por Maria Megiato foi feita na hora (Foto: Paulo Rossi - DP)

Levantamento do Sindicato do Comércio Varejista (Sindilojas) de Pelotas junto aos associados encontrou crescimento de 4,3% nas vendas para Natal, na comparação com o mesmo período de 2018. “Nos supreendeu”, avaliou ontem à tarde o presidente Renzo Antonioli. Foi o primeiro ano, depois de muitos, em que a data comemorativa superou as projeções de incremento nas vendas - ainda em dezembro, estava em 2,7%, lembrou o líder varejista.

Os dois últimos dias antes do Natal, no entanto, foram fundamentais para que esse índice fosse atingido, com fluxo muito grande de consumidores indo às compras, explicou Antonioli. No tíquete médio dos presentes, o valor alcançou R$ 112,00 e a maioria dos pagamentos (66%) foi feita a prazo, ficando 34% com eles à vista. Confecções, calçados, utilidades para o lar, produtos tecnológicos e brinquedos foram (nessa ordem) os presentes preferidos.

Mesmo assim com boas vendas, algumas lojas iniciaram o dia seguinte ao Natal com promoções e liquidações, abrindo as portas mais tarde, o que chamou a atenção dos consumidores que circulavam pelo Calçadão da Andrade Neves no final da manhã de ontem. Segundo Antonioli, o aumento real de vendas de dezembro deste ano sobre 2018 é extremamente significativo e fundamental para enfrentar janeiro e fevereiro de 2020. Para a geração de empregos, pode representar a efetivação dos contratados como temporários, diz o presidente.

Dia da troca agrega vendas 

Data mundial de trocas, o dia 26 de dezembro, o seguinte ao Natal, serve também para agregar novas vendas, reconhecem lojistas e gerentes do comércio varejista. “Já abrimos com trocas”, conta a gerente Alexandra Ferreira, que viu motivos variados para a substituição dos presentes.

A dona de casa Maria Megiato, moradora no Jardim América, não perdeu tempo: veio trocar o presente da filha Brenda bem cedo - “para ficar livre”, explicou. A batedeira veio com defeito e foi trocada na hora, contou Maria. Foi a primeira vez que ela comprou um produto com defeito, mas ficou satisfeita com a solução sempre problemas.

A representante comercial Denise Basgalupe trocou o sapato, que ganhou no tamanho errado, por outro modelo. “Foi um erro no número, mas aproveitei e troquei por outro”, diz. Muitas trocas vêm acrescidas do pagamento de diferenças nos preços, concordam os gerentes.

Mas na hora da troca, é preciso saber o que garante o Código de Defesa do Consumidor (CDC). Confira: 

Troca por gosto ou tamanho - A loja não é obrigada a fazer a troca, a menos que na hora da venda tenha garantido isso ao cliente. A maioria das lojas, no entanto, oferece a troca como agrado ao consumidor.

Troca por defeito - O fornecedor tem o prazo até 30 dias para solucionar o problema. Depois, o consumidor pode optar pela troca do produto ou devolução do dinheiro ou pelo abatimento no preço.

Compra pela internet - Se for por telefone, catálogo e internet, o consumidor pode exercer o direito de arrependimento em até sete dias da data da aquisição ou do recebimento do produto. A desistência deve ser feita por escrito. Se houver recebido o produto, deverá devolver, recebendo de volta o valor pago, inclusive o frete.

Na hora da troca - Guarde a nota fiscal ou o recibo de compra para apresentar na hora da troca. Nas peças de vestuário, mantenha a etiqueta do produto. 

Valor da troca - Deverá prevalecer o valor pago pelo produto, mesmo quando houver liquidações ou aumentos no preço posteriores.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados