Data especial

Venda de presentes deve trazer novo fôlego

O crescimento nas vendas, estimado em 11,20%, é o indicativo que elas ainda podem ser maiores

06 de Maio de 2022 - 13h11 Corrigir A + A -

Por: Maria da Graça Marques
graca@diariopopular.com.br 

Na área central, o movimento de consumidores era grande, a maioria com sacolas de compras (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Na área central, o movimento de consumidores era grande, a maioria com sacolas de compras (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Se para as mamães a data chega repleta de sentimentos carinhosos, para os lojistas, o Dia das Mães, comemorado no domingo, pode representar um novo fôlego em seus negócios. O crescimento nas vendas, estimado em 11,20%, é o indicativo que elas ainda podem ser maiores, considerando que faltam dois dias para a data comemorativa, a segunda melhor do ano para o varejo brasileiro.

Ao apontar o índice, o presidente do Sindicato do Comércio Varejista (Sindilojas) de Pelotas, Renzo Antonioli, explica que, embora as vendas fiquem de 25% a 30% abaixo de 2019, período anterior à pandemia da Covid-19, o crescimento estimado para 2022 na data é positivo. “Este é um dado que dá sobrevida a muitos lojistas”, diz o líder varejista.

Levantamento feito nesta quinta-feira (5) pelo Sindilojas mostrou que tíquete médio do presente para as mães estavam em R$ 131,00 - um pouco acima do registrado no começo da semana. Na hora de pagar as compras, 52,5% dos consumidores preferiram parcelar ou colocar no cartão de crédito, enquanto 47,5% quitou à vista ou usou o cartão de débito. Sobre os presentes mais comprados, a liderança estava com as confecções, os calçados e os perfumes.

Na tarde desta quinta, era grande o movimento de consumidores na área central da cidade, especialmente no Calçadão da rua Andrade Neves, a maioria carregando pacotes de compras, conta Antonioli. As temperaturas mais baixas dos últimos dias e a expectativa de que elas continuarão nas próximas semanas favorecem as vendas, especialmente de agasalhos, lembra o presidente. Em nível nacional, pesquisa indica que 76% dos brasileiros presentearão no Dia das Mães, enquanto esta mesma intenção era de 59% em 2021.
Procon dá algumas dicas

Através do Serviço de Educação, o Procon Pelotas separou algumas orientações e cuidados que os consumidores devem ter na hora de escolher o presente.

Nas compras feitas pela internet, é preciso estar atento aos dados pessoais, dando preferência para sites conhecidos e tomando cuidado com links enviados por e-mail ou redes sociais.

O consumidor deve imprimir ou salvar a página do site com os dados da compra e conferir o produto no ato da entrega, só assinando o comprovante de recebimento caso não haja irregularidades.

É possível a desistência de compras efetuadas fora do estabelecimento comercial, em até sete dias após a assinatura do contrato ou recebimento da mercadoria.

Caso o pagamento seja feito através de boleto bancário, importante conferir os dados que constam nele, verificando se a empresa beneficiária é a mesma onde a compra foi realizada. Em caso negativo, a transação não deve ser concluída.

Nas lojas físicas, é importante que o próprio consumidor passe o cartão na máquina, evitando entregá-lo a outra pessoa. Além disso, deve conferir o valor da compra antes de digitar a senha.

Os eletroeletrônicos precisam vir acompanhados do manual de instruções em língua portuguesa e da relação da rede autorizada de assistência técnica.

Os celulares devem ser adquiridos em lojas autorizadas e o produto tem que estar na caixa original e lacrada.
Em perfumes e cosméticos, devem estar disponíveis informações sobre o produto em língua portuguesa, assim como instruções de uso, características, registro no órgão competente, prazo de validade, composição e condições de armazenamento.

A troca de roupas, calçados e acessórios é mera cortesia da loja ou do fabricante, o que deve ser acertado previamente com o lojista e solicitada a garantia da troca por escrito, na etiqueta ou na própria nota fiscal.
A nota fiscal da compra é o que comprova a relação de consumo, devendo ser exigida sempre no ato da compra.

Inflação maior em 20 anos
Levantamento do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV Ibre), a partir de 31 produtos e serviços do Índice de Preços ao Consumidor - Mercado (IPC-M), indicou que os presentes e os serviços mais procurados para o Dia das Mães apresentaram o maior aumento registrado para essa cesta nos últimos 20 anos: em 2003, o reajuste foi de 10,83%. Já nos últimos 12 meses o aumento médio foi de 9,07%, ligeiramente abaixo da inflação do período, de 10,37%.

A pesquisa também mostrou que os serviços foram os protagonistas dessa inflação, subindo 13,79%, com a alta puxada pelas passagens aéreas, cujos preços quase dobraram no período: avanço de 72,83%. Também na cesta de serviços, restaurantes (8,13%), hotéis (5,72%), excursões e tours (4,54%) e salões de beleza (4,19%) sofreram aumentos, mas abaixo da inflação geral. As atrações culturais, assim como no ano passado, seguem sendo as melhores candidatas para um bom programa com a mamãe, com seus preços perto da estabilidade em relação ao ano passado: shows (0,12%), cinemas (1,33%) e teatros (1,42%) ainda apresentam reajuste bem tímido na medida em que as atividades retornam à normalidade pós-pandemia. O pesquisador e economista do FGV Ibre, Matheus Peçanha, avalia que a retomada pós-pandemia tem papel importante nessa dinâmica. “O setor turístico apresentou um incremento na demanda que estava reprimida desde a pandemia da Covid-19, e os preços estão refletindo isso. No caso dos restaurantes, ainda há o agravante do custo dos alimentos, que tem sido o foco da inflação recente”, explica.

Pelo lado dos produtos mais comumente escolhidos como presente, a cesta de 22 bens duráveis e semiduráveis teve um crescimento médio de 4,25%. As maiores altas vieram principalmente dos eletrodomésticos e do setor têxtil: cama, mesa e banho (11,04%), geladeira e freezer (8,73%), máquina de lavar roupas (7,5%), micro-ondas (6,75%) e roupas femininas (6,62%). Na parte inferior da lista, os menores aumentos ficaram na conta da linha marrom e alguns bens semiduráveis: perfume (0,15%), computadores e periféricos (0,34%), celulares (0,65%), artigos de maquiagem (0,92%) e fogão (1,97%).


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados