Sucesso

Startups da região em ascensão

Anota Aí, de Rio Grande, recebe investimento milionário do iFood em mais uma demonstração do crescimento deste formato de empresas

29 de Julho de 2022 - 12h06 Corrigir A + A -
Anota Aí recebeu investimento milionário do iFood. (Foto: Divulgação - DP)

Anota Aí recebeu investimento milionário do iFood. (Foto: Divulgação - DP)

A startup Anota Aí, criada em Rio Grande, recebeu recentemente um investimento do iFood, uma das principais empresas de delivery do país. Embora o valor não tenha sido divulgado oficialmente, um site especializado no segmento aponta que o valor da operação ficou na faixa dos R$ 60 milhões. É a segunda startup da região a movimentar, em pouco tempo, cifras multimilionárias, após o Melhor Envio ter sido adquirido por R$ 83 milhões pela Locaweb, no final de 2020.

As movimentações recentes mostram que o cenário da região vem mudando com o tempo. Pelotas teve o crescimento acelerado a partir do seu Parque Tecnológico, que vem trabalhando neste fomento, chegando a receber a alcunha de Candy Valley (vale do doce, em uma tradução literal), em referência ao vale do Silício, berço de grandes empresas tecnológicas nos Estados Unidos.

Já Rio Grande, ainda nesta quinta-feira (28), lançou um projeto de inovação econômica e social, chamado "Rio Grande - Cidade Inovadora". De acordo com o prefeito Fábio Branco (MDB), a iniciativa surge da parceria entre a prefeitura, a Furg e o Sebrae, e tem como objetivo fomentar o ecossistema de inovação da cidade, integrando a comunidade e gerando soluções para resolver problemas, modernizar os serviços públicos e torná-la um espaço com mais desenvolvimento e qualidade de vida.

O passo inicial
A prefeitura de Pelotas afirma que o primeiro passo para estabelecer um ambiente propício à inovação e o desenvolvimento de empresas voltadas à tecnologia foi dado com a criação do Parque Tecnológico, oficialmente em 2016, conforme relata o secretário de Desenvolvimento, Turismo e Inovação, Gilmar Bazanella. "O projeto era discutido em anos anteriores à oficialização e considerado um sonho de muitos. Quando se concretizou, coube à prefeitura lançar ideias, comentar e estimular, a fim de que a população pelotense adotasse a iniciativa e se apropriasse do espaço", conta. Atualmente, o Parque é administrado pela Tecnosul, uma associação civil, sem fins lucrativos, de direito privado e caráter científico, tecnológico, educacional e cultural, que ficou responsável por desenvolver o ecossistema de inovação.

Pelotas, atualmente, trabalha a criação de sua Lei de Inovação, que terá um olhar especial para as startups e que estarão inseridas no ecossistema de Pelotas. "Ainda estamos definindo os incentivos que serão incluídos nessa legislação, mas o objetivo é criar mais uma ferramenta para facilitar que essas empresas possam continuar nascendo, tanto no ambiente interno do Parque quanto em captações de fora da cidade. Queremos que cada vez mais empreendedores venham iniciar esse processo na área de inovação", afirma Bazanella.

Em relação a números, atualmente 63 empresas estão com suas estruturas instaladas no Parque, sendo 23 geridas pelo próprio Parque, sete no espaço de coworking, 15 incubadas e 18 pré-incubadas. No local também estão as incubadoras Conectar - da UFPel; Ciemsul - da UCPel; e Senactec - destinada a empresas júnior. Ao todo, o local gera mais de 267 empregos diretos e 638 indiretos. De acordo com a diretora executiva, Rosâni Ribeiro, com seus quase seis anos de atividades, o Pelotas Parque Tecnológico consolidou um dos seus maiores diferenciais frente às demais entidades do mesmo tipo, que é a integração das ações entre Poder Público, setor privado e meio acadêmico, para fortalecimento do ecossistema de inovação.

Em Rio Grande, a busca é por consolidação
Segundo Artur Gibbon, presidente do Parque Tecnológico Oceantec, de Rio Grande, onde a Anota Aí ficou localizada, a cidade vem fazendo muitas ações de empreendedorismo, inclusive junto a alunos da Furg para capacitação de estudante. "Temos trabalhado muito fortemente para consolidar toda essa estrutura de inovação por meio desses ambientes", diz, destacando a parceria com sociedade civil, administração pública e instituições empresariais, além da presença de uma incubadora e do próprio Parque Tecnológico. "Nós queremos que novas empresas, como a Anota Aí, nasçam aqui e possam receber seus investimentos e crescer."

A Anota Aí
Em nota ao Diário Popular, o iFood confirmou o investimento: "Como parte da estratégia de contribuir para o crescimento do nosso ecossistema e acelerar o desenvolvimento de novas soluções por meio de inovação e tecnologia, o iFood investiu no Anota AI, uma empresa brasileira de SaaS (Software as a Service) que oferece soluções de automação por meio de chatbots com inteligência artificial, fundada em 2018. Essa iniciativa ajudará o desenvolvimento de negócios da startup e melhorará a experiência de venda de restaurantes em todo o país.

A ferramenta do Anota Aí já facilita a gestão e simplifica o dia a dia de milhares de estabelecimentos em todo o país, com mais de 15 mil restaurantes com atendimento automatizado e 97% de nível de satisfação. Esse investimento permitirá que o Anota Aí continue crescendo e desenvolvendo novos produtos e soluções para empoderar restaurantes, potencializar suas vendas e ajudá-los em sua jornada de digitalização."

A ideia é que a empresa rio-grandina contribua para que o iFood passe a receber pedidos via WhatsApp. A reportagem procurou a Anota Aí, mas, até o fechamento desta edição, não obteve retorno.

Propriedade intelectual do Jornal Diário Popular

Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados