Novidade

Startup pelotense moderniza o mercado imobiliário

Através da tokenização de unidades, iniciativa da Captur permite a realização de investimentos com baixos valores

22 de Julho de 2022 - 19h31 Corrigir A + A -
O investimento não é em um espaço para morar ou frequentar, mas sim em uma parcela do todo daquele produto. (Foto: Carlos Queiroz - DP)

O investimento não é em um espaço para morar ou frequentar, mas sim em uma parcela do todo daquele produto. (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Foi lançada nesta sexta-feira (22) a primeira unidade imobiliária tokenizada feita por uma empresa 100% pelotense. Trata-se da Captur, uma startup sediada no Pelotas Parque Tecnológico e que busca proporcionar a possibilidade de investimentos imobiliários sem a necessidade de uma movimentação de grandes valores.

O evento, ocorrido no próprio Parque, apresentou a ideia a imobiliárias, corretores e potenciais investidores. A iniciativa resume-se em fazer o fracionamento de unidades imobiliárias no mercado digital de forma acessível, explica o CEO, Maurício Allemand. Através da plataforma da empresa, é possível comprar tokens (frações de um produto), de imóveis com potencial de valorização.

Allemand diz que é possível fazer de maneira privada, embora seja necessário assessoramento imobiliário para o investimento. Ele afirma ser viável vender na plataforma, embora uma das premissas da iniciativa seja buscar pontos de grande potencial de valorização, o que, na prática, quase sempre se resume em iniciar a tokenização quando o imóvel é lançado na planta e vender, para um usuário final, quando ocorre a entrega das chaves por parte da imobiliária, momento em que normalmente ocorre o pico da unidade, após ter passado por processo de correção de valores. "Aí, se ganha a valorização", explica.

Na prática, como funciona?
"Você não tem um espaço, tem um token", explica Allemand. Ou seja, o investimento não é em um espaço para morar ou frequentar, mas sim em uma parcela do todo daquele produto. A primeira unidade tokenizada será do condomínio Solanas, localizado no Cassino e construído pela imobiliária ACPO. Ela foi dividida em 570 tokens, cada um com valor de mil reais, e cada investidor deverá adquirir, no mínimo, dez tokens. Ou seja, a unidade será dividida em, no máximo, 57 investidores. Quando o sistema avaliar que atingiu o pico de valorização, ela será vendida para um morador final e o valor repassado para cada portador de token. Os valores não são fixos e dependem de cada projeto.

Um outro diferencial, para Allemand, é a possibilidade de investir em qualquer lugar do mundo, o que não costuma ocorrer no mercado imobiliário atual. Já que o funcionamento é totalmente virtual, essa aquisição pode ser feita a distância. Ele diz também que o diferencial para o formato presente do mercado é que é possível iniciar o investimento com valores baixos e não adquirindo um imóvel por inteiro, como acaba sendo a tendência atual.

Passo a passo
> A Captur identifica o imóvel, junto às imobiliárias ou construtoras, para investimento.
> O imóvel é dividido em tokens, conforme avaliação da plataforma.
> Os tokens são revendidos para diversos investidores.
> Quando o sistema avalia que o imóvel atingiu seu pico de valorização, ele é vendido a um consumidor final.

Saiba mais
A Captur pode ser encontrada no Pelotas Parque Tecnológico ou no site http://captur.vc.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados