Pandemia

Segmento de vestuário está entre os mais afetados

Sem vendas em função da Covid-19, comerciantes enfrentam dificuldades para manter empregos e contas em dia

08 de Julho de 2020 - 13h18 Corrigir A + A -

Por: Maria da Graça Marques
graca@diariopopular.com.br 

Sem vendas, comerciantes gaúchos enfrentam dificuldades em manter seus negócios e os empregos (Foto: Paulo Rossi - Infocenter - DP)

Sem vendas, comerciantes gaúchos enfrentam dificuldades em manter seus negócios e os empregos (Foto: Paulo Rossi - Infocenter - DP)

O segmento de vestuário tem sido um dos mais afetados pela crise da Covid-19, em decorrência das ações de fechamento do comércio não essencial, segundo a Federação do Comércio de Bens e Serviços (Fecomércio) gaúcha. Na Sondagem de Segmentos para Vestuário, o destaque, mais uma vez, foram as questões relacionadas ao novo coronavírus.

Apenas 3,1% dos entrevistados reportaram ganhos no período. Entre eles, 41,1% apontaram ter perdas superiores a 50% e 1% afirmou que seu negócio estava fechado. Entre os entrevistados, 83,1% aplicou alguma medida para aumentar ou evitar a queda das suas vendas no período.

Sobre o financiamento do negócio, 49,9% disseram que estavam utilizando capital próprio para pagar contas da empresa e 9,1% afirmaram ter tomado empréstimos. Outros 2,9% afirmaram ter tentado pedir empréstimos, mas não conseguiram acesso aos recursos.

Outro dado que se destacou foi o das alterações na força de trabalho: 59,2% dos entrevistados disse ter mudado a relação com o quadro de funcionários. Entre eles, 42,5% indicaram a aplicação da redução da jornada com redução de salários, 33,8% suspenderam contratos e 39% demitiram.

“A pandemia pegou a população de surpresa. Chegou de repente e simplesmente não sabemos quando tudo isso vai acabar. Entretanto, já ficou muito claro que o comércio varejista está entre os grandes perdedores dessa crise e o segmento de varejo de vestuário foi um dos mais prejudicados”, afirmou o presidente da Fecomércio gaúcha, Luiz Carlos Bohn.

A pesquisa ouviu 385 empresas do Simples de todo o Rio Grande do Sul, do segmento de varejo de vestuário, no período entre 27 de maio e 8 de junho de 2020.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados