Acordo

Sebrae e INPI se juntam para fortalecer marcas

Objetivos incluem capacitação de mais de dois mil pesquisadores, além da criação do selo brasileiro de indicação geográfica

04 de Maio de 2021 - 23h15 Corrigir A + A -

Por: Maria da Graça Marques
graca@diariopopular.com.br 

 (Foto: Divulgação - DP)

(Foto: Divulgação - DP)

O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi) firmaram acordo de cooperação técnica para fomentar o registro de marcas, desenho industrial e programas de computador e depósitos de patentes entre os micro e pequenos negócios no país.

O presidente do Sebrae, Carlos Melles, destacou que a expectativa para as ações a serem realizadas, a partir do acordo, incluem a capacitação de mais de dois mil pesquisadores, além da criação do selo brasileiro de Indicação Geográfica. “Por meio desse trabalho, do Sebrae com o Inpi, vamos transformar sonhos em processos reais das micro e pequenas empresas do Brasil. Faremos mentorias, capacitações e uma série de iniciativas para fortalecer o poder da propriedade intelectual entre os empreendedores. Vamos trabalhar a importância do registro de marcas, das indicações geográficas e a criação do selo de origem, que colocará os nossos negócios em um outro patamar, inclusive internacionalmente. O objetivo maior é levar valor agregado aos produtos tipicamente brasileiros”, diz Melles.

Foi constado que 75% do valor de um negócio está nos valores chamados de intangíveis - aqueles que não podem ser tocados, como a marca, a estratégia, as patentes, a boa vontade e a fidelidade dos clientes, segundo o secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa. “Valorizar a propriedade intelectual é aumentar o valor final da empresa. É por isso que iniciativas como essa têm poder de melhorar o desempenho dos negócios no país, gerando mais emprego e renda circulando”, diz.

Por sua vez, o presidente do Inpi, Cláudio Furtado, informou que o acordo com o Sebrae faz parte de uma série de cooperações que o Instituto está firmando para potencializar a inovação e os negócios do país. “Vamos fechar pelo menos 24 acordos com diversas instituições que apoiam a inovação e os negócios. Eu costumo dizer que o Sebrae atende às micro e pequenas empresas que um dia serão as grandes empresas do país. O Sebrae tem esse poder de despertar a potência do empreendedorismo. É importante unirmos forças para incentivar a valorização da propriedade intelectual. Por exemplo, nós somos excelentes produtores de café, mas você não vê uma pessoa pedindo na padaria um café específico, de alguma de nossas indicações geográficas. Junto com o Sebrae, queremos fazer essa revolução na mentalidade das pessoas, buscando a valorização das marcas e produtos brasileiros”, lembra.

E na prática?

Empreendedores como Janice Koepp, CEO da Biocelltis Biotecnologia, explica que, a partir da proteção de suas patentes, a empresa tornou-se referência nacional com planos de internacionalização das patentes. “Com a orientação do SebraeTec, somos referência no país. Neste momento, estamos em fase de pedido de patente internacional. Pretendemos ser a primeira empresa brasileira a comercializar tecidos para outras empresas do nosso país com o objetivo de diminuir o uso de animais em testes farmacêuticos e de produtos em geral”, ressalta.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados