Coronavírus

Procura zero

Hotéis pelotenses já estão com a maioria das reservas cancelada

23 de Março de 2020 - 13h03 Corrigir A + A -
A recomendação é que todos os estabelecimentos trabalhem com o mínimo de funcionários possível, para evitar o contágio (Foto: Jô Folha - DP)

A recomendação é que todos os estabelecimentos trabalhem com o mínimo de funcionários possível, para evitar o contágio (Foto: Jô Folha - DP)

A rede hoteleira está sendo umas das mais atingidas em meio à pandemia do novo coronavírus. Reservas canceladas e poucos hóspedes restantes é o cenário atual em praticamente todo o país. Em Pelotas, a situação não é diferente. Alguns hotéis já estão com as portas fechadas e garantem que foram 100% atingidos.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares, Eduardo Hallal, a instituição não conseguiu dialogar muito sobre a pandemia, mas já liberou a funcionária que pertence ao grupo de risco. A recomendação é que todos os estabelecimentos trabalhem com o mínimo de funcionários possível, para evitar o contágio. Sobre restaurantes e bufês, ele diz que a maioria está se adequando ao delivery, assim evita a aglomeração de pessoas em espaços fechados. Hallal classifica o momento como preocupante e diz que daqui para frente é pensar um dia de cada vez e torcer para que o pior não aconteça. "É preocupação consigo mesmo, com os filhos, com o negócio", lamentou.

Hallal é proprietário de um hotel em Pelotas, que já acumula uma história de mais de cinco décadas. Até o momento, ele calcula que cerca de 90% das reservas já foram canceladas. "Fora os que não cancelam e não aparecem", completou. Os funcionários que estavam com período de férias marcado para esta época do ano tiveram o afastamento adiantado, os turnos foram reduzidos e os trabalhadores estão em regime de revezamento. Além disso, álcool gel para todos os lados e cartazes informando sobre a doença e a prevenção fazem parte do cenário do hotel. Segundo Hallal, nesta época do ano, próxima à Páscoa, provavelmente ele teria cerca de 60% dos quartos locados. "Agora é cada um fazer a sua parte", disse, preocupado.

Jaqueline Halal é proprietária de dois hotéis na cidade, ambos localizados na área central. Um deles conta com 75 apartamentos e cinco salas para eventos, o outro possui 42 dormitórios. De acordo com a empresária, um deles já está fechado, contando apenas com um plantão na recepção. "Os poucos hóspedes desse eu transferi para o outro", explicou. Ela garante que a medida foi tomada previamente com a intenção de zelar pela saúde de todos os envolvidos. "É momento de ficar em casa", disse. O empreendimento que ainda está de portas abertas conta com número reduzido de funcionários desde o início da semana, além, é claro, de todas as medidas de higiene. No café, as mesas estão mais distantes e o tradicional bufê do hotel foi suspenso. Com todas as reservas canceladas, o futuro está incerto. "Ninguém sabe como se reerguer depois, mas agora não é o momento de pensar nisso", desabafou.

Na praia do Laranjal, mesmo que na baixa temporada, a proprietária de uma pousada, Roselaine Krolow, garante: "Seria um final de semana lotado". Com 100% das reservas canceladas, a empresária teme o futuro, mas no momento a prioridade é a saúde de todos os colaboradores. "Estamos com revezamento de funcionários e higiene redobrada", informou.

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados