Expectativas

Lojistas otimistas com venda de presentes para os pais

Expectativa é de que o pós-pandemia gere aumento na movimentação

05 de Agosto de 2022 - 14h03 Corrigir A + A -

Por: Maria da Graça Marques
graca@diariopopular.com.br 

As vitrines, embora com poucos apelos sobre a data, são muitas as sugestões para homenagear o pai (Foto: Carlos Queiroz - DP)

As vitrines, embora com poucos apelos sobre a data, são muitas as sugestões para homenagear o pai (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Aumento de 6,8% na venda de presentes para o Dia dos Pais, que será comemorado no dia 14 de agosto, o segundo domingo do mês, é a expectativa dos lojistas, na comparação com o ano passado. De acordo com o presidente do Sindicato do Comércio Varejista (Sindilojas) de Pelotas, Renzo Antonioli, este índice pode ser ultrapassado, com a justificativa que é o primeiro Dia dos Pais da retomada pós-pandemia da Covid-19, quando o medo de sair de casa ainda era grande entre muitos consumidores.

Nesta sexta-feira (5), o quinto dia útil do mês pode ajudar a elevar esta expectativa, embora os melhores dias de vendas sejam mesmo os das vésperas da data. Até quinta, os produtos mais procurados são os de confecções e perfumarias, ferramentas e utensílios, como abridores para vinhos, enumera Antonioli. Nas vitrines, poucos são os apelos para a data, embora muitas delas exibam produtos que podem servir para presentear.

Expectativas no país
De acordo com a Confederação Nacional de Dirigentes do Comércio (CNDL), a expectativa é de o comércio do país movimentar R$ 20 bilhões em presentes para o Dia dos Pais. Pesquisa quantitativa online realizada com mais de dois mil entrevistados entre 20 e 24 de julho aponta que 81,3% dos brasileiros querem comprar presentes para a data.

Segundo o levantamento, 32% estão dispostos a desembolsar valor acima de R$ 500, enquanto 23,2% pretendem gastar de R$ 100 a R$ 250 e 22,3% querem presentear entre R$ 50 a R$ 100 e apenas 6,2% querem gastar até R$ 50. Quando comparado ao ano anterior, a pesquisa revela que 36,3% pretendem gastar menos neste ano e 35% desejam gastar mais, seguidos por 25,3% que preferem manter o mesmo valor.

A pesquisa ainda mostra que não há muita diferença na preferência por compras em lojas físicas ou online: 50,6% pretendem recorrer ao e-commerce e o restante a espaços físicos. Quando perguntados sobre a forma de pagamento que preferem utilizar, 33,2% disseram cartão de crédito, 24,9% boleto parcelado, 21,7% optaram por dinheiro, 10,5% por Pix, 7,9% por cartão de débito e 1,5% boleto à vista. zEntre os tipos de presente mais procurados, a pesquisa mostra preferência por itens de vestuário, indicados por 32% dos respondentes, seguido por eletrônicos, com 23,2% e cosméticos, com 9,5%.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados