Encontro

Governador apresenta reforma aos empresários

Em Pelotas, Eduardo Leite buscou o apoio das principais lideranças patronais da cidade e da região

14 de Setembro de 2020 - 11h30 Corrigir A + A -

Por: Maria da Graça Marques
graca@diariopopular.com.br 

Encontro. Líderes empresariais participaram da última apresentação da proposta em cidades polos gaúchas (Foto: Gustavo Mansur - DP)

Encontro. Líderes empresariais participaram da última apresentação da proposta em cidades polos gaúchas (Foto: Gustavo Mansur - DP)

Otimista, mas consciente dos ajustes que ainda ocorrerão, o governador Eduardo Leite (PSDB) encerrou na tarde de sábado (12), em Pelotas, sua agenda de visitas a 12 cidades gaúcha para apresentar em detalhes seu projeto de Reforma Tributária para o Rio Grande do Sul.

Através do Diálogo com o RS, Leite defendeu seu projeto junto ao empresariado gaúcho. Em Pelotas, buscou o apoio das principais lideranças patronais da cidade e da região. Foi a oportunidade para ouvir reivindicações e sugestões de diferentes segmentos, que se sentem afetados por itens da reforma. O encontro foi transmitido em live para os demais empresários interessados.

Acompanhado pelo vice-governador Ranolfo Vieira Júnior e pelo secretário estadual da Fazenda, Marco Aurelio Cardoso, Leite foi prestigiado pela prefeita Paula Mascarenhas (PSDB) e pelos deputados federal Daniel Trzeciak (PSDB) e estadual Luiz Henrique Viana (PSDB). Ontem, o dia foi de nova rodada de reuniões com líderes empresariais do Estado.

No encontro na Associação Comercial de Pelotas (ACP), o governador começou apresentando os números que mostram as perdas ao RS e aos municípios se a Reforma Tributária não for aprovada pelo Legislativo gaúcho. A votação está prevista para quarta-feira.

Leite mostrou perdas de R$ 3,5 bilhões aos cofres do Estado, o que dificulta a negociação da dívida com a União, e de R$ 850 milhões para as prefeituras, que deixarão de investir em serviços básicos nas suas cidades, explicou.

“Não existe uma solução simples para uma situação dramática como a do nosso estado”, disse Leite, ao defender as medidas que a Reforma Tributária trará - algumas que têm desagradado aos empresários. “Prorrogar as alíquotas é uma derrota coletiva, e não uma solução”, completou.

As novas regras da arrecadação através de duas alíquotas de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), de 17% ou 25%, a criação de benefício para famílias de menor renda e a tributação maior para o patrimônio, incluindo o Imposto sobre Propriedade de Veículo Automotor (IPVA), foram detalhadas.
Em balanço final sobre seu trabalho em defesa da reforma, Leite se disse confiante nos resultados. “Estamos trabalhando em ajustes e estamos confiantes na votação dos deputados”, falou o governador, satisfeito com o encontro em Pelotas.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados