Exemplo

Empreendedora serve de inspiração para outras

Maria Helena Jeske recorda com satisfação da sua trajetória, desde a Colônia Santa Silvana, onde fazia rocamboles

19 de Novembro de 2020 - 13h47 Corrigir A + A -

Por: Maria da Graça Marques
graca@diariopopular.com.br 

Maria Helena venceu a etapa nacional do Prêmio Mulheres Empreendedoras do Sebrae (Foto: Divulgação - DP)

Maria Helena venceu a etapa nacional do Prêmio Mulheres Empreendedoras do Sebrae (Foto: Divulgação - DP)

O dia 19 de novembro é comemorado como data do empreendedorismo feminino, em iniciativa da Organização das Nações Unidas (ONU), em 2014, com objetivo incentivar as mulheres que querem empreender.

Segundo dados do estudo Women in The Boardroom - Uma Perspectiva Global, da Deloitte, realizada em 2019, 25% das empresas abertas foram por mulheres - em 2016, eram 18%. No período, houve expansão de 7% no empreendedorismo feminino.

Muitas mulheres, com seu trabalho ao longo dos anos, conseguem realizar os seus sonhos e também servir de inspiração para muitas outras, que buscam empreender, seguindo seus próprios caminhos e colocando em prática os seus projetos.

Maria Helena Jeske recorda com satisfação da sua trajetória, desde a Colônia Santa Silvana, onde fazia rocamboles, ainda adolescente, para vender para as vizinhas, ajudando no sustento da numerosa família. Já na cidade, vendia negrinhos e branquinhos na escola, onde teve sua primeira cliente fixa: a dona do bar.

E foram esses docinhos que ela ofereceu em confeitarias da cidade. “Entregei uma amostra em um dia e no dia seguinte, me chamaram”, conta a doceira, que comemora agora a expansão para a nova fábrica de 1,3 mil metros quadrados e a inauguração da nova loja, que reúne chocolateria, confeitaria e cafeteria. Hoje, seu filho David, administrador de empresas como ela, é seu parceiro nos negócios.

Como presidente da Associação dos Produtores de Doces de Pelotas, Maria Helena venceu a etapa nacional do Prêmio Mulheres Empreendedoras, do Serviço Nacional de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), que proporcionou uma viagem a Paris, onde acompanhou o trabalho de Indicação Geográfica IG) da Champanhe, que mais tarde resultou no IG dos Doces de Pelotas. Em Paris, frequentou La Cordon Bleu, um das mais famosa escolas de gastronomia do mundo.

Para a mulher que quer empreender, a doceira alerta: “A melhor coisa que ela tem que fazer é agradar a ela mesma e não aos outros”.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados