Dificuldades

É preciso investir para não deixar o negócio morrer

Empreendedores apontam as saídas encontradas na tentativa de driblar os problemas em tempos de pandemia

17 de Fevereiro de 2021 - 20h40 Corrigir A + A -

Por: Maria da Graça Marques
graca@diariopopular.com.br 

Na Nova Estoril do caminho da praia, as vendas dobraram logo nos primeiros dias, conta o proprietário  (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Na Nova Estoril do caminho da praia, as vendas dobraram logo nos primeiros dias, conta o proprietário (Foto: Carlos Queiroz - DP)

As palavras do empresário Jorge Lemos podem servir de estímulo para empreendedores que se sentiram intimidados no último ano com as dificuldades que a pandemia da Covid-19 trouxe. “Se tu paras de investir, tu paras de crescer”, diz o comerciante, que decidiu empreender em novo ramo de negócio, o da panificação, em janeiro de 2014, com a Nova Estoril.

Desde 1998 no mercado de artigos de presentes e bazar, Lemos traz na bagagem a tradição familiar de comércio no bairro Fragata, com Móveis Lemos. O sucesso da Nova Estoril na Cohabpel, na rua Barão de Santa Tecla, animou o panificador a investir novamente, desta vez com uma segunda unidade da Nova Estoril, agora no caminho para o Laranjal.

“Não tinha planos”, lembra Lemos. O ano de 2020 não foi ruim para o ramo da alimentação, mas o final do ano mostrou uma queda de 14% nas vendas, na comparação com o do ano anterior, explica. “Mas apareceu a oportunidade”, conta Lemos, que no terceiro dia de funcionamento da padaria no Caminito Comercial, pequeno centro de negócios na avenida Adolfo Fetter, viu as vendas dobrarem.

Hoje, sua nova aposta de crescimento está na ampliação dessa padaria, que dobrará de tamanho ainda neste ano, continuando ainda no Caminito, porém mais à esquerda da primeira entrada, explica o comerciante. Com 228 metros quadrados de área, o local terá uma cafeteria e uma adega, além de mais produtos de padaria, doces e salgados, adianta.

Para a loja atual no Caminito, a primeira dela no acesso ao local, Lemos também tem planos. Quer continuar ocupando o espaço, mas com outro tipo de negócio. “É na dificuldade que se vai ter a oportunidade”, diz o comerciante, que tem a esposa Adriana e as filhas Jordana e Catarina trabalhando com ele nos empreendimentos. Com a ampliação da padaria do Caminito, conta que passará a gerar o total 54 empregos diretos com seus negócios.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados