Oportunidade

Dicas para aproveitar melhor a Black Friday

Poucos dias antes do evento, algumas lojas aumentam seus preços e no dia dele precificam com o valor original, tudo para passar a impressão de que o desconto foi significativo

08 de Novembro de 2019 - 12h04 Corrigir A + A -

Por: Maria da Graça Marques
graca@diariopopular.com.br 

Uma dica é: ao encontrar o produto desejado, não efetue a compra imediatamente antes de pesquisar preços.  (Foto: Gabriel Huth - DP)

Uma dica é: ao encontrar o produto desejado, não efetue a compra imediatamente antes de pesquisar preços. (Foto: Gabriel Huth - DP)

Com data marcada para o dia 29, a Black Friday exige alguns cuidados e muita atenção, segundo a especialista em Finanças, Renatta Gomes, e a advogada especialista em Direito do Consumidor, Soraya Salomão. Confira:
Renata começa listando três dicas fundamentais para o consumidor não cair em armadilhas na Black Friday de 2019.

Dica 1 - Monitore os preços. Poucos dias antes do evento, algumas lojas aumentam seus preços e no dia dele precificam com o valor original, tudo para passar a impressão de que o desconto foi significativo. Essa prática é chamada de maquiagem dos preços e considerada publicidade enganosa, podendo resultar até em penalização para a empresa.

Dica 2 - Evite comprar por impulso. Procure fazer uma lista do que realmente precisa. Com a lista em mãos, é possível pesquisar preços e avaliar se o desconto anunciado é mesmo real. Faça a lista e mantenha o foco.

Dica 3 – Compare os preços. Ao encontrar o produto desejado, não efetue a compra imediatamente. Faça uma pesquisa de preços. Já existem aplicativos para comparar os preços, como o Melhor Preço. Inclusive alguns sites específicos para a Black Friday.

E para comprar certo?
A advogada Soraya responde a algumas perguntas mais frequentes dos consumidores. Veja:

► Financeiramente, é melhor comprar nesse tipo de promoção? O consumidor, em geral, é induzido a comprar mais produtos quando vê a palavra promoção. Nesse momento, são acionados alguns gatilhos na mente que fazem ter a necessidade de resolver aquele problema imediatamente. É importante ter em mente que a melhor compra deve ser realizada por necessidade e não por impulso. Se o custo-benefício do produto for justo e analisados todos os fatores, pode ser uma boa estratégia aguardar o evento para adquirir um produto.

►Pagamento à vista ou parcelado? O melhor é comprar à vista e evitar parcelamentos. Negocie o preço com desconto. Algumas lojas oferecem descontos adicionais para quem paga à vista no boleto bancário ou débito em conta por meio do internet banking.

►Como se certificar se o produto realmente teve desconto? O ideal é acompanhar o histórico do preço do produto, pelo menos um mês antes do evento, assim é possível ter um parâmetro e saber exatamente se o desconto é realmente vantajoso.

►Como ter certeza de que fez uma boa compra? Antes da Black Friday, surgem lojas falsas, principalmente para compras on-line, que à primeira vista têm um site bem feito, que parece confiável. Nem sempre é o caso.

►Antes de decidir a compra de qualquer item, verifique a lista de lojas com históricos problemáticos e cheque a reputação das lojas em outras plataformas. O Reclame Aqui, por exemplo, é uma ótima opção.

A especialista em Direito do Consumidor esclarece sobre outras  dúvidas. 
►Todas as questões da Black Friday, em condições normais, são regidas pelo Código de Defesa do Consumidor. Por isso, a política de trocas é feita em decorrência de defeito e a loja não é obrigada a trocar por mera vontade do cliente, com a alegação de que chegou em casa, experimentou a blusa, não gostou e quer trocar.

►Mesmo que a loja já tenha a troca como padrão, exemplo clássico das lojas de departamentos, que permitem a troca em 15 ou 30 dias, o lojista não é obrigado a trocar - somente por defeito, quando é obrigado a oferecer um desconto, a troca do produto ou a devolução do dinheiro. O prazo vai de 30 a 90 dias, dependendo do defeito, havendo discussões se o prazo corre a partir da compra ou da descoberta do defeito.

►Sobre o direito ao arrependimento, o cliente só tem em compras feitas fora da loja física - seja ao telefone ou pela internet. E esse direito de troca ocorre após sete dias do recebimento do produto.

►O prazo de entrega, via de regra, está previsto no site de venda, que deve fazer valer essa informação.

Dica da especialista
O interessante é que o consumidor faça uma busca na internet para validar se de fato o anunciante é seguro e real e já tem reclamações. Ele pode, por exemplo, buscar no Reclame Aqui se o site é idôneo ou não, diz Soraya.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados