Em alta

Dia das Mães pode ter vendas até 20% maiores

Até sexta-feira, o levantamento feito pelo Sindilojas encontrou aumento de 10,5%, mas expetativa é de crescimento com a aproximação da data

30 de Abril de 2022 - 12h09 Corrigir A + A -

Por: Maria da Graça Marques
graca@diariopopular.com.br 

Lojistas buscam  mostrar para os consumidores as sugestões de presentes para a data (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Lojistas buscam mostrar para os consumidores as sugestões de presentes para a data (Foto: Carlos Queiroz - DP)

A uma semana do Dia das Mães, a segunda melhor data de vendas do ano para o varejo brasileiro, as expectativas são otimistas, segundo o presidente do Sindcato do Comércio Varejista (Sindilojas) de Pelotas, Renzo Antonioli. O Dia das Mães, em 2022, será comemorado no dia 8 de maio, o segundo domingo do mês.

A estimativa de Antonioli é que as vendas possam ter crescimento de 15% a 20% sobre 2021. Até sexta-feira, o levantamento feito pelo Sindilojas encontrou aumento de 10,5% na mesma comparação, mas o presidente acredita que percentual será maior, consderando que são dois os sábados que ainda antecederão a data comemorativa: os dias 30 de abril e 7 de maio, a véspera do Dia das Mães.

O mesmo levantamento encontrou a preferência dos consumidores pelos pagamentos das compras a prazo (52,5%), ficando a quitação à vista com 47,5%. Para o tíquete médio, foi apontado na sexta-feira o valor de R$ 128,00. Confecções, calçados, perfumes, chocolates e artigos para o lar, exatamente nesta ordem, foram os presentes mais procurados até sexta-feira.

Os resultados das vendas para a data podem ter grande significado no fluxo de caixa do comércio, ajudando no pagamento das dívidas, diz Antonioli. “Não resolve os problemas”, frisa o líder varejista. Em relação a 2019, o mais recente Dia das Mães, antes da pandemia da Covid-19, mesmo que o crescimento alcance 20% neste ano, as vendas estarão abaixo, o que mostra que a recuperação dos negócios do varejo ainda não ocorreu.

E como foi a Páscoa?
Em rápida retrospectiva, Antonioli indicou que as vendas para a Páscoa, a data comemorativa anterior de 2022, teve crescimento de 9,3% na comparação com o ano passado. No entanto, elas ficaram 15% abaixo das feitas em 2019, lembrou o presidente. No ano seguinte, a Páscoa ocorreu logo após o início da pandemia da Covid-19, com o fechamento das lojas, exceto aquelas que vendiam chocolates para a data, autorizadas a abrir nas vésperas.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados