Pelotas

Custo de vida no município é baixo segundo levantamento de site

Estudante criou um site onde é possível encontrar o preço médio de 40 itens básicos e comparar seus valores nas mais diversas partes do país

17 de Junho de 2012 - 13h24 Corrigir A + A -

Por: Redação
web@diariopopular.com.br

Por: Fernanda Franco

Quanto você gasta mensalmente na cidade onde mora? E se fosse trabalhar ou estudar em outro local quanto gastaria? O custo de vida na sua cidade é alto comparado a outros municípios do país? Um estudante mineiro curioso por saber quanto se gasta nas diversas partes do país criou o site Custo de Vida (www.custodevida.com.br). Neste endereço, graças à colaboração de internautas, é possível encontrar o preço médio de 40 itens básicos e comparar seus valores nas mais diversas partes do país.
 

No site os bens são separados em oito categorias: bar e restaurante, supermercado, transporte, hotelaria e motelaria, esporte, lazer e moradia, educação e utilidades. Além de apresentar uma ideia de quanto uma pessoa gastará viajando ou mudando para outro local, o endereço oferece ainda uma nota para cada município, valor que representa o custo de vida em cada cidade. Quanto mais alta a média, mais caro viver no lugar. Pelotas já integra a lista disponível no site.

De acordo com o endereço, o custo de vida em Pelotas não é elevado e fica com a média 3,2. A capital do Estado tem média 5,8. São Paulo e Rio de Janeiro estão entre as cidade mais caras do país, com as notas 9,4 e 10, respectivamente. 

A vida na Princesa do Sul
Ubiratan Pinto, de 31 anos, veio para o município em julho do ano passado ao ser contratado pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Na opinião do professor de alemão, que nasceu e morou em Porto Alegre até metade de 2011, com exceção dos aluguéis, aqui a vida é menos cara do que em sua cidade natal, considerando o preço mais acessível de necessidades como comida, lazer. Mas, para Pinto, os altos valores investidos em moradia em Pelotas acabam encarecendo bastante a vida na cidade e fazendo com que essa diferença entre capital e interior fique um pouco atenuada. “O aluguel é caro e, às vezes, acaba compensando o preço barato de outras coisas”, diz. Ainda assim, para o professor universitário, embora o custo de vida não seja tão barato, considerando os altos custos gastos com moradia, a qualidade de vida numa cidade menor é bem maior e compensadora.
 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados