Empreendimento

Assinatura de contrato oficializa vinda da Havan

O projeto total é de oito mil metros quadrados, investimento de R$ 50 milhões e geração de 200 empregos diretos

12 de Março de 2019 - 23h00 Corrigir A + A -

Por: Maria da Graça Marques
graca@diariopopular.com.br 

Em Pelotas, o proprietário da Havan, Luciano Hang, anunciou a prioridade que é dada neste momento ao projeto na cidade.

Em Pelotas, o proprietário da Havan, Luciano Hang, anunciou a prioridade que é dada neste momento ao projeto na cidade.

Locação. O presidente do Jockey, Clodoaldo de Lima (E), e o dono da Havan, Luciano Hang, oficializam uso da área. (Foto: Álvaro Guimarães)

Locação. O presidente do Jockey, Clodoaldo de Lima (E), e o dono da Havan, Luciano Hang, oficializam uso da área. (Foto: Álvaro Guimarães)

gora é oficial. O presidente da rede Havan, Luciano Hang, assinou no começo da manhã de ontem o contrato definitivo de locação da área do Jockey Club de Pelotas, representado pelo presidente Clodoaldo de Lima. O próximo passo são as liberações das licenças junto aos órgãos municipais, para o começo das obras. Segundo Hang, a inauguração ocorrerá 120 dias após o início da construção.

Ainda na sede do Jockey, junto com o diretor de Expansão da Havan, Nilton Hang, o proprietário fez um apelo ao secretário de Gestão da Cidade e Mobilidade Urbana, Jacques Reydams, para a aprovação em curto espaço de tempo do projeto da loja de oito mil metros de área construída, localizada na avenida Salgado Filho, em direção à avenida Zeferino Costa.

Reydams detalhou que, além da aprovação inicial do projeto arquitetônico, encaminhado ontem mesmo, será necessária a análise de três diferentes estudos de impacto: de Trânsito (EIT), de Vizinhança (EIV) e de Segurança Pública (EISP). Para o projeto inicial, a aprovação deve ocorrer entre dez e 15 dias.
Serão necessárias as licenças de início das obras, das secretarias de Qualidade Ambiental (SQA) e de Cultura, que avaliará a questão da preservação do patrimônio, do Serviço Autônomo de Saneamento (Sanep) e da Companhia Estadual de Energia Elétrica (Ceee), explica também o secretário.

Se para a Havan, a nova loja receberá R$ 50 milhões de investimento, para gerar 200 empregos e será um empreendimento conjunto com a Companhia Zaffari, de Passo Fundo, para o Jockey, o contrato de locação pelo período de 30 anos oportunizará a manutenção do patrimônio, o pagamento de dívidas, já renegociadas, trabalhista, junto ao Sanep e de Imposto Predial Urbano (IPTU).

Serão pagos, inicialmente, 800 mil pela Havan, que permitirão a construção das novas raias, para a retomada das corridas o mais rápido possível, diz o presidente Lima. Mensalmente, o Jockey receberá R$ 90 mil. “Em três ou quatro meses, o hipódromo apresentará um novo perfil”, completa. “Traga seus empregos e mantenha os nossos”, disse o diretor de Relacionamentos do Jockey, Paulo Vanier, referindo-se entre 200 e 300 empregos gerados hoje no local.

O Jockey passa por uma crise financeira, com reflexos diretos também na manutenção do seu patrimônio. A vinda da Zaffari, através da marca Stok, deverá ter a assinatura do contrato realizada em um segundo momento, informou Lima. Juntos, os dois empreendimento gerarão 400 empregos diretos, gerando uma renda de até R$ 1 milhão para a economia da cidade, segundo Hang.

Também em Rio Grande
Ontem, na visita às instalações do Jockey, a direção de Expansão da Havan anunciou a compra de área em Rio Grande, para a instalação de filial também na vizinha cidade. A localização é em área junto à avenida Itália, na entrada da cidade, próximo ao campus da Fundação Universidade do Rio Grande (Furg). A prioridade, no entanto, garantiu Hang, é para a filial de Pelotas. “Aqui é a nossa rota de prioridade”, disse.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados