Compras

Ainda à espera dos clientes

No domingo, em que algumas lojas abriram as portas, o movimento de clientes foi considerado fraco, o que também ocorreu na segunda

07 de Dezembro de 2021 - 12h47 Corrigir A + A -

Por: Maria da Graça Marques
graca@diariopopular.com.br 

Compras. Movimento é considerado fraco junto ao comércio, mesmo sendo este o mês do Natal, o melhor do ano de vendas. (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Compras. Movimento é considerado fraco junto ao comércio, mesmo sendo este o mês do Natal, o melhor do ano de vendas. (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Dezembro, o melhor mês de vendas do ano para o comércio varejista brasileiro, já chegou, mas parece que o maior período de negócios ainda está por vir. Levantamento do Sindicato do Comércio Varejista (Sindilojas) junto aos associados mostrou que o pagamento da primeira parcela do 13º salário, na terça-feira passada, não se refletiu em aumento das vendas. O que ocorreu com mais frequência foram os pagamentos de dívidas acumuladas pelos consumidores. “Alguns procuraram acertar as inadimplências”, explicou o presidente Renzo Antonioli.

A primeira parcela do 13º salário costuma ser dividida entre o pagamento de dívidas e a compra dos primeiros presentes para o Natal, o que não está ocorrendo neste ano, que se tornou bastante atípico em razão da pandemia da Covid-19 e das consequências que trouxe para grande parte dos consumidores, com a perda do emprego ou da renda. No domingo, em que algumas lojas abriram as portas, o movimento de clientes foi considerado fraco, o que também ocorreu na segunda.

De acordo com Antonioli, no domingo, houve uma pequena reação nas vendas em relação ao anterior, o do dia 28 de novembro, mas insuficiente para animar muitos lojistas, que preferiram adiar esta iniciativa para os dois próximos, dos dias 12 e 19, que antecederão o Natal, que cairá neste ano no domingo. Nem todas as filiais de redes de eletrodomésticos funcionaram no domingo, deixando para abrir nos dois domingos antes do Natal. As de confecções de maior porte funcionaram, mas poucas das pequenas do mesmo ramo abriram, segundo o presidente do Sindilojas.

O gerente de loja de móveis, eletrodoméstico e eletrônicos, Itamar Vaz, contou que houve uma determinação da matriz para que as filiais da rede funcionem apenas nos dois próximos domingos. Para outras das suas concorrentes, os resultados de vendas não foram o esperado. A comerciante Regina Oliveira também optou por não abrir as lojas da franquia no último domingo. As vendas foram boas apenas naquelas instaladas dentro de outros estabelecimentos de grande porte, como no Shopping Pelotas, cujo fluxo de clientes foi considerado muito bom.

E os horários?

Com a convenção coletiva de trabalho dos comerciários ainda em negociação, os horários de funcionamento do comércio pelotense estão totalmente liberados, desde que obedecida a jornada de trabalho dos empregados, reiterou Antonioli. A exemplo dos meses de dezembro dos anos anteriores, o comércio abre entre 7h30min e 9h, fechando por volta das 19h e das 20h. O Sindilojas apenas orienta sobre estes horários, explica o presidente.

A expectativa é que a convenção seja fechada nos próximos dias, definindo os reajustes de salários para os comerciários e também o bônus pelo domingo trabalhado, que no ano passado era de R$ 80,00. A data-base da categoria é em 1º de setembro e nas negociações ocorrem entre o Sindilojas e o Sindicato dos Empregados do Comércio do Pelotas (Secpel).


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados