Pandemia

Abrir ou manter fechada?

Algumas não abriram as portas na quinta, diante da falta de clientes, o que outras farão a partir de segunda-feira

20 de Março de 2020 - 12h25 Corrigir A + A -

Por: Maria da Graça Marques
graca@diariopopular.com.br 

Alternativa. Viviane Silva decidiu que manterá a loja fechada até o dia 31, permanecendo o atendimento delivery aos clientes. (Foto: Paulo Rossi - DP)

Alternativa. Viviane Silva decidiu que manterá a loja fechada até o dia 31, permanecendo o atendimento delivery aos clientes. (Foto: Paulo Rossi - DP)

Deserta. Com as lojas de portas fechadas e sem a circulação de clientes, a rua estava sem movimento quinta.  (Foto: Paulo Rossi - DP)

Deserta. Com as lojas de portas fechadas e sem a circulação de clientes, a rua estava sem movimento quinta. (Foto: Paulo Rossi - DP)

O Sindicato do Comércio Varejista (Sindilojas) de Pelotas iniciou um levantamento junto aos associados, buscando criar um consenso sobre a abertura das lojas a partir de segunda-feira (23), para facilitar o acesso dos clientes durante o período da pandemia do coronavírus, explicou o presidente Renzo Antonioli. Algumas não abriram as portas ontem, diante da falta de clientes, o que outras farão a partir de segunda-feira, segundo os proprietários.

Esse horário para o funcionamento das lojas, que deve ser das 9h às 17h, com uma tolerância de uma hora a mais ou a menos, também deverá atender à movimentação de consumidores e de comerciários, principalmente na área central da cidade. Algumas lojas de redes, no entanto, continuarão funcionando, mas em horários reduzidos, fechando mais cedo, diz o líder varejista.

A lojista Viviane Silva, indecisa sobre o funcionamento da loja nos próximos dias, resolveu ontem que permanecerá com as portas do estabelecimento fechadas até o dia 31, quando reavaliará a situação. Até lá, manterá apenas o atendimento delivery, de entrega em domicílio, que Viviane já disponibiliza para os clientes, através principalmente do Instagram. “Neste momento, a gente tem que pensar primeiro na saúde”, lembra.

Custos podem fechar 30%
Sobre o fechamento temporário das lojas, Antonioli volta a alertar que 30% das pequenas empresas não reabrirão, se o período for acima de 30 dias, diante dos custos que terão de ser mantidos, como os pagamentos de aluguéis e boletos e as despesas com os funcionários. Em alguns casos, a solução para a continuação do quadro de pessoal tem sido as férias antecipadas ou rodízio dos empregados, que passam a trabalhar em dias alternados.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados