Produção Cultural

Toda a ajuda é bem-vinda

Em um momento de crise, classe artística absorve editais para minimizar prejuízos

07 de Junho de 2020 - 08h49 Corrigir A + A -

Por: Ana Cláudia Dias
anacl@diariopopular.com.br 

Mesmo sem shows, Joca Martins vai fazer o lançamento do novo disco gravado em home studio  (Foto: Divulgação - DP)

Mesmo sem shows, Joca Martins vai fazer o lançamento do novo disco gravado em home studio (Foto: Divulgação - DP)

Trabalhadores das artes precisam das ações de estímulo ao trabalho e renda (Foto: Divulgação - DP)

Trabalhadores das artes precisam das ações de estímulo ao trabalho e renda (Foto: Divulgação - DP)

Desde março artistas de diferentes setores da cultura lutam contra as dificuldades impostas diante do distanciamento social necessário para o combate à infecção pelo novo coronavírus. Com os equipamentos culturais fechados e impossibilidade de estar próximo do público a crise financeira abocanhou a classe e trouxe muitas incertezas. Neste contexto surgiram ações solidárias, que levaram alívio a muitas famílias, mas trabalho e renda ainda ainda eram um horizonte distante. Desde abril uma série de editais públicos e privados começaram pipocar, ações que efetivamente voltam incentivar a produção artística e inserem perspectivas alentadoras ao cenário.

Um dos mais aguardados é o FAC Digital RS do Governo do Estado. O edital de R$3 milhões é destinado a projetos culturais com conteúdo digital e abre para inscrições nesta segunda-feira.

Na noite de quinta-feira o Senado Federal aprovou a Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, que propõe socorro de R$ 3 bilhões à classe artística durante a pandemia. O aguardado projeto de Lei 1.075/2020 agora vai à sanção do presidente Jair Bolsonaro.

A proposta prevê que trabalhadores autônomos que perderam a renda tenham direito a um suporte de R$ 600 por mês, durante três meses. O projeto inclui ainda apoio às atividades artísticas e culturais de teatros e cinemas, especialmente os de pequeno porte, com um valor mensal de R$ 3 mil a R$ 10 mil, além de viabilizar editais, chamadas públicas e prêmios culturais que podem ser realizados pela internet.

A expectativa da secretária de Cultura do Estado, Beatriz Araújo, é de que a sanção ocorra logo. "Isso para nós é uma injeção grande de recursos no Estado e municípios." Metade dos recursos que chegarem vão para os municípios a outra metade fica para o estado e serão investidos em editais, esclarece a secretária.

Beatriz Araújo elogia a compreensão tanto dos deputados, quanto dos senadores na construção e aprovação deste Projeto de Lei. "Todos os estados brasileiros foram contemplados com essa legislação."

Em Pelotas também

Recentemente artistas de Pelotas puderam participar de três editais, dois da prefeitura e outra da iniciativa privada. Atualmente em execução, o UnaMúsica - Circuito de Música Instrumental do Parque Una, teve inscrições em abril e a primeiro apresentação ocorreu em 28 de maio.

Os dois editais da prefeitura, Sete ao Entardecer Festival e projeto Sagrada Casa avançaram para a fase de publicação dos selecionados. De acordo com Secretaria de Cultura do município, foram apresentadas mais de 170 propostas.

O produtor cultural Emerson Ferreira da Silva teve proposta selecionada no Sete ao Entardecer Festival. O projeto de Silva aborda processos criativos nos encontros humanos e artísticos, que ocorreram durante a construção do novo disco do músico Marco Gottinari.

Silva diz que tem pesquisado bastante editais porque realmente eles são uma saída para a sobrevivência do artista e do produtor cultural. Atento aos novos chamamentos públicos, na sua opinião eles ainda são poucos. "Acredito que a tendência é aumentar", diz.

Para o produtor, um dos pontos positivos é que os editais estão sendo remodelados e ficaram mais acessíveis. O lado negativo que geralmente eles têm um prazo curto de inscrições.

O ator Lucas Ribeiro Galho, do Coletivo MeiaOito, diz que os editais são fundamentais nesse momento de pandemia. "O setor da cultura foi um dos primeiros a parar e será um dos últimos a voltar e, mesmo assim, não sabemos para o que voltaremos."

Lucas Galho argumenta que os editais em Pelotas sempre foram uma das poucas fontes de receita de grupos teatrais. O motivo? "Ainda é muito difícil manter uma produção que se sustente apenas com o público pagante", fala.

Na opinião do ator existe a necessidade da formação de um hábito de consumo da cultura pelotense por parte da população, isto ajudaria imensamente os grupos independentes de teatro de Pelotas. "Nesse momento difícil o qual estamos passando, é mais importante ainda que os editais sejam realizados e sejam acessíveis a todos os agentes culturais que trabalham na cidade. "

No edital da prefeitura, Lucas Galho inscreveu um projeto com foco na divulgação dos contos da Clarice Lispector. A maior dificuldade que o ator vê neste momento é o processo remoto de criação pelo qual o grupo passa. "Estamos experimentando a linguagem audiovisual, que não nos é muito familiar, mas que é essencial nesse momento. Estamos nos reinventando."

O pelotense Fábio Saraiva também deve candidatar um projeto em editais. Sobre o momento diz que os músicos do grupo (Fábio Saraiva e banda) estão com dificuldades assim como outros colegas de trabalho.

No dia 1° de maio foi feita uma uma Live solidária onde arrecadaram mais e dez toneladas de alimentos. "O que me consta foi a live que mais arrecadou no estado", conta. A Live pode ser vista no canal Os Saraiva, disponível pelo Youtube.

Aposta no novo

O cantor Joca Martins também vai pleitear um financiamento. O músico tem projeto pronto, chamado de Dentro do Galpão, e vai enviá-lo para o FAC Digital RS, por exemplo. O foco agora é o disco novo que será lançado este mês, todo gravado em home studio durante a quarentena.

Para Martins a abertura de editais traz um alento, mas há muito o que ser recuperado ainda. "Acho que vai ajudar sim, mas enquanto não podermos voltar, mesmo que de forma restrita, não será nada fácil para o nosso meio", comenta.

Sem fazer um show desde 15 de março, Martins teve contato com seu público em uma Live no final de abril, mas esta experiência ainda deixa dúvida quanto a sua real função no trabalho artístico neste momento e no futuro. "É uma forma de manter o vínculo com o público."

Dentro do Galpão traz o novo álbum do músico intitulado No meio da Pampa, no estilo campeiro nativista. O disco acústico nasceu em parceria com o poeta uruguaianense Rafael Ovídio, o Cabo Deco.

O músico diz que mesmo sem a possibilidade de fazer shows vale a pena lançar o novo trabalho agora. "Desta forma eu vou familiarizar as pessoas com o novo projeto." Sobre a expectativa de um reencontro presencial com os fãs, o artista tem esperança que isso possa ocorrer a partir de novembro.

Quais editais em andamento

FAC Digital RS

Começam às 10h desta segunda-feira as inscrições do edital FAC Digital RS, que vai disponibilizar R$ 3 milhões para projetos culturais que gerem conteúdo digital. Realizado em uma parceria inédita entre o Pró-Cultura RS/FAC (Fundo de Apoio à Cultura) e a Universidade Feevale, por meio do Feevale Techpark, o edital tem como objetivo gerar oportunidade de trabalho para artistas, técnicos, produtores e fazedores de cultura, estimulando processos criativos e inovadores para conectar as pessoas em ambiente virtual durante o período de isolamento social.

Os projetos devem atender às medidas de prevenção à Covid-19 recomendadas pela Organização Mundial da Saúde e pelo Ministério da Saúde, especialmente no que se refere à impossibilidade de aglomeração de pessoas. Serão contemplados 1.940 projetos, no valor de R$ 1,5 mil cada. A inscrição deverá ser realizada por meio de um formulário, disponível nas páginas www.procultura.rs.gov.br e www.feevale.br/facdigitalrs, até as 10h do dia 18 deste mês. A inscrição ficará limitada a um projeto por CPF. As propostas admitidas serão selecionadas por ordem de inscrição.

Sesc Cultura ConVida!

Aberto até este domingo para projetos culturais a serem transmitidos e distribuídos digitalmente pelos canais da Instituição. Artistas de todo o país poderão inscrever seus trabalhos por meio do site www.sesc.com.br/convida. Serão contemplados até 470 projetos de música, artes cênicas, artes visuais, audiovisual, literatura, infantis e patrimônio cultural, com investimento previsto de R$ 587.500,00. Com foco em trabalhos não divulgados nos grandes meios de comunicação, o projeto inclui ainda oficinas, debates e podcasts com profissionais que integrem o sistema produtivo da cultura.

"O Sesc Cultura ConVida! é a manutenção do trabalho de fomento, difusão e incentivo à produção artística nacional, que o Sesc promove ao longo de mais de sete décadas. Com esta iniciativa pretendemos não só valorizar o trabalho dos artistas de todas as regiões e movimentar a economia criativa, como também contribuir para a qualidade de vida e bem-estar do público neste cenário de isolamento social", disse a Diretora de Programas Sociais do Departamento Nacional do Sesc, Lucia Prado.

Cada proponente poderá realizar apenas uma inscrição e as propostas apresentadas deverão respeitar as medidas de isolamento social que estejam em vigor no momento da sua execução. As comissões de cada segmento são compostas por profissionais de Cultura do Sesc que atuam no planejamento e desenvolvimento da programação cultural da instituição.

Tem Preto no Sul

Produzido pelo coletivo Stay Black, com patrocínio do Natura Musical, o projeto tem como objetivo profissionalizar e valorizar os artistas negros do Rio Grande do Sul. O edital vai selecionar três artistas e ajudá-los na sua profissionalização para o mercado da música, através de oficinas de composição, produção musical e expressão corporal, além da produção de material fonográfico (EPs).

Serão selecionados, três artistas pretos e/ou pretas (cis, trans, binários e não binários), que possuam projetos para serem gravados. A seleção será feita através de uma curadoria local e os aprovados terão oficinas de produção musical ministrada pelo DJ Martins (Marcelo D2, zilladxg, Casa da Cultura Hip Hop de Esteio); composição e escrita criativa com instrução de Mel Duarte (Slam das Minas/SP) e expressão corporal com Manoela Fortuna (Tholl, Belle Époque, The Voice). Devido às medidas de prevenção ao novo coronavírus, as oficinas serão realizadas on-line. Ao final da residência artística, os artistas selecionados gravarão três faixas autorais em estúdio profissional. As cópias físicas do EP serão distribuídas gratuitamente no evento de encerramento do projeto.

As inscrições para o edital estarão disponíveis até o dia 20 deste mês nas redes sociais da Stay Black Facebook ou Instagram.

A Stay Black é um coletivo cultural que surgiu em 2016 na cidade de Pelotas (cidade com maior número de pessoas pretas do estado proporcionalmente) e com fortes marcas da escravidão em sua construção. Buscando dar visibilidade a trabalhos artísticos feitos pela população negra, intelectualização, fomento de cena e fortalecimento da economia solidária movimentada na cidade.

Prêmio Minuano de Literatura

Dia 30 deste mês se encerram as inscrições para a edição 2020 do Prêmio Minuano de Literatura. Neste ano ele vem com duas novidades: patrono, o escritor Sérgio Faraco, e a inclusão da categoria Tradução. No total, são onze categorias. O prêmio é uma parceria do Instituto Estadual do Livro (IEL), com o Instituto de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). O objetivo é ressaltar e reconhecer a produção literária gaúcha, contribuindo para sua divulgação e para o incentivo à leitura e à produção escrita.

Podem participar do prêmio autores nascidos ou residentes no Rio Grande do Sul, assim como editoras sediadas no Estado. As obras inscritas devem ter sido publicadas no decorrer de 2019 e podem concorrer nas seguintes categorias: Infantil, Juvenil, Poesia, Conto, Crônica, Ficção, Romance/Novela, Ilustração, História em Quadrinhos, Texto Dramático, Tradução e Especial (memórias, biografias, efemérides, turismo, guias, manuais, entre outros).

Regulamento e anexos estão disponíveis no blog do IEL. Mais informações podem ser obtidas nos e-mails iel@sedac.rs.gov.br ou andrearussomano@gmail.com, e também pelo telefone (51) 3314-6450 ou WhatsApp (51) 99196-5230.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados