Um legado!

Pesquisadora Beatriz Loner é homenageada em livro

Publicação reúne artigos produzidos pela professora da UFPel sobre escravidão e pode ser acessada gratuitamente

29 de Junho de 2019 - 21h13 Corrigir A + A -
Temática. Autora se dedicou à luta dos negros e negras pela liberdade

(Foto: Moizés Vasconcellos - Infocenter DP)

Temática. Autora se dedicou à luta dos negros e negras pela liberdade (Foto: Moizés Vasconcellos - Infocenter DP)

O Núcleo de Documentação Histórica (NDH), ligado ao Instituto de Ciências Humanas da Universidade Federal de Pelotas, lançou o livro A família Silva Santos e outros escritos: escravidão e pós-abolição ao sul do Brasil em homenagem à pesquisadora que fundou o Núcleo em 1990 e veio a falecer em 2018, a professora Beatriz Loner. A obra já está disponível no website do NDH e pode ser acessada de forma gratuita.

O livro reúne 11 artigos produzidos pela professora e outros pesquisadores, abordando a temática da escravidão e da pós-abolição no Sul do Brasil. São textos que sintetizam o trabalho de Beatriz, que se dedicou ao estudo de temas relacionados à luta de negros e negras pela liberdade e por melhores condições de vida, sendo referência nesta área. De acordo com a professora Lorena Almeida Gill, uma das organizadoras da obra, o livro mostra que “entre conquistas e retrocessos, a comunidade negra pelotense foi protagonista em vários momentos da vida cotidiana na cidade em fins do século 19 e início do século 20”.

Iniciativa
A organização da obra partiu de uma homenagem prestada pelo Grupo de Estudos sobre o Pós-Abolição da UFSM (Gepa) no momento do falecimento de Beatriz, em março de 2018. Na ocasião, o grupo publicou uma lista com as principais produções da autora, com o título Leia Beatriz Loner. Desta forma, o Gepa inseriu a produção do livro dentro de um projeto que Beatriz fazia parte.

O projeto Afrodescendentes na Região Sul - Biografias, trajetórias associativas e familiares, financiado pela Capes, instituiu uma parceria entre a UFPel, a UFPR e a UFSC com a intenção de acompanhar a trajetória de afrodescendentes. Foi desta forma que Beatriz Loner passou a pesquisar a família Silva Santos, ao longo de oito gerações, da escravidão aos dias atuais. Este trabalho conseguiu mapear as primeiras quatro gerações e, com o falecimento de Bia, foi interrompido.

O livro
Apesar de não ter concluído a pesquisa, Beatriz deixou um grande legado ao estudar as primeiras quatro gerações da família Silva Santos no Brasil. Os três primeiros textos dizem respeito a esta família, uma das principais famílias afrodescendentes de Pelotas, com destaque desde o período imperial, sendo parte importante da comunidade negra da região. Em seus textos, a pesquisadora ressalta a atuação do deputado federal Carlos Santos e de Manoel Conceição da Silva Santos, que atuou no campo político e étnico organizacional, auxiliando na criação das primeiras organizações negras.

Os demais trabalhos abordam o universo da escravidão, a luta pela liberdade, a abolição e o pós-abolição. No artigo De escravo a doutor: Euzébio de Queiroz Coutinho Barcellos, Beatriz mostra como foi possível para um ex-escravo conquistar a liberdade, licenciar-se em medicina e obter reconhecimento na sociedade pelotense.

Já no texto A Loteria do Ipiranga e os trabalhadores: Um sonho de liberdade no final do século XIX, a autora conta o destino do valor do prêmio, que atualizado representaria algo em torno de R$ 160 milhões, distribuído entre cinco pessoas da cidade.

A obra foi organizada por Lorena Almeida Gill e Paulo Luiz Crizel Koschier. Até o final do ano a equipe do NDH pretende ter em mãos a obra impressa, a qual será distribuída, também de forma gratuita, a bibliotecas, centros de pesquisas, entre outros. O livro está disponível, on-line, em https://wp.ufpel.edu.br/ndh/files/2019/06/familiasilvasantos.pdf.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados