Lançamento

Os quadrinhos do Érico

Érico Assis organiza livro com textos escritos sobre quadrinhos

24 de Agosto de 2020 - 09h32 Corrigir A + A -
Estão reunidos no livro 50 textos publicados desde 2010 no Blog da Companhia - em versões revisadas e atualizadas (Foto: Divulgação - DP)

Estão reunidos no livro 50 textos publicados desde 2010 no Blog da Companhia - em versões revisadas e atualizadas (Foto: Divulgação - DP)

Érico Assis seria protagonista do gibi que conta a história do gibi no Brasil. Uma relação iniciada muito cedo e que o pelotense levou para a vida profissional, com todas as dificuldades que trabalhar com arte e cultura traz. Parte dessa trajetória, e ela já tem vinte anos, está presente no livro Balões do pensamento, coletânea de textos do jornalista, crítico e tradutor, atualmente em pré-venda e financiamento coletivo.
Assis conta que começou a ler gibi antes mesmo de aprender a ler, através da influência dos pais que ofereciam revistas ali pelos três anos. "Eu acompanhava as figurinhas e só fui decifrar os balões por volta dos seis." Daí não parou mais. Tornou-se jornalista e tradutor com ênfase em quadrinhos e trabalhou com mais de vinte editora. Atualmente, como jornalista, é crítico de HQs na Folha de São Paulo e no Globo, além da revista QuatroCincoUm, o Blog da Companhia - da Companhia das Letras - e do portal Omelete, que ajudou a construir.

Estão reunidos no livro 50 textos publicados desde 2010 no Blog da Companhia - em versões revisadas e atualizadas. O conteúdo contempla ainda ilustrações feitas por cinco quadrinistas convidados - Gabriel Dantas (Bife de Unicórnio) Samanta Floor (Toscomics), Ing Lee (Karaokê Box), André Valente (Colocs du Temps) e Wagner Willian (Silvestre). Entre os escritos estão perfis de autores como Laerte, David Mazzucchelli e Marjane Satrapi, detalhes sobre a história das histórias em quadrinhos e resenhas de publicações como Aqui, Love & Rockets.

De todos, o que talvez Assis entenda como mais especial foi escrito quatro dias após a filha nascer. "Porque foi uma grande virada na minha vida e porque eu não queria escrever sobre outra coisa naqueles dias, que bateu com uma deadline de entrega para o Blog. Mas ainda consegui relacionar com quadrinhos!", conta.
O livro também tem espaço reservado para as transformações sofridas pelo mercado dos quadrinhos ao longo de 20 anos. A internet, que engatinhava há duas décadas, precisa ser naturalmente levada em conta desse processo, acredita o autor. "Fez surgir um monte de quadrinistas, que se publicam por ali e são compartilhados aos milhões nas redes, como memes. Aquele entretenimento de papel e barato do século 20 virou digital e de graça. O que ficou em papel subiu de preço e de qualidade gráfica. As livrarias se encheram de quadrinhos. O cenário do quadrinho nerd mudou em função dos filmes e o mercado do cinema mudou em função dos quadrinhos. Tudo é destes vinte anos. O mercado editorial, aqui e no resto do mundo, só reage a tudo isso - e reage beeeeem devagar, a meu ver.

Se as mudanças representam um desafio para quem faz quadrinhos, assim também o é para quem fala de quem faz quadrinhos. Viver como crítico e resenhista representa uma empreitada maior que qualquer outra, afirma Assis. "Os espaços culturais seja em jornal, revista ou sites estão cada vez mais raros, ou pagam pouco. No Brasil, são poucos que vivem só do jornalismo cultural e provavelmente ninguém vive de escrever sobre quadrinhos."

Forma, conteúdo e acesso podem ter mudado, mas os gibis seguirão vivos enquanto crianças como Érico Assis, que os leem antes mesmo da alfabetização. Primeiro pelas figuras e cores, ele crê, "depois por conta dos personagens, para depois o novo fã embarcar no colecionismo e, quem sabe, começar a enxergar uma coisa a mais na linguagem"

Sobre as particularidades que a fazem apaixonante, o pelotense cita as figuras em relação à literatura e a possibilidade de criação do movimento em comparação com o cinema. "O que mais me interessa é que, de um lado, o leitor pode ler o gibi do jeito que quiser - folhear, olhar só as figurinhas, ler fora de ordem, ver páginas na frente, voltar na página ou nas páginas - e, de outro, os autores ou autoras usam um monte de recursos para que você leia aquilo dentro de uma narrativa que eles pensaram. Nenhum dos lados sabe o que vai dar. Acho que o prazer dos quadrinhos está nessa interação."

Financiamento coletivo
Balões do Pensamento é um lançamento da Balão Editorial e está em pré-venda e financiamento coletivo através da plataforma Catarse. O exemplar, com frete grátis, é a recompensa para a contribuição de R$ 49 ou mais na campanha. Outras modalidades podem ser conferidas no link.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados