Espetáculo

No ritmo que toca a alma

Pulsar traz a Pelotas a Cadica Cia de Dança em espetáculo que mistura o flamenco com a cultura gaúcha

11 de Março de 2020 - 12h38 Corrigir A + A -

Por: Ana Cláudia Dias
anacl@diariopopular.com.br 

O bombo leguero é um dos destaques do espetáculo (Foto: Divulgação - DP)

O bombo leguero é um dos destaques do espetáculo (Foto: Divulgação - DP)

O que te emociona? O que faz teu coração bater mais forte? Para os bailarinos da Cadica Cia de Dança a emoção está na música, na batida dos pés e das mãos. É desse arrepio que surgiu a inspiração de Pulsar - O som que toca a alma novo espetáculo da companhia que está em turnê pelo sul do Estado antes de rumar para o Uruguai, onde participa de festival. Em Pelotas a apresentação será neste domingo (15), no Del Pátio Eventos, no Laranjal.

Pulsar estreou em novembro no Theatro São Pedro, em Porto Alegre, e agora começa a ser apresentado fora da capital. O espetáculo evidencia uma das marcas da Companhia, o uso do bombo leguero, instrumento de percussão tradicional na música regionalista do Rio Grande do Sul.

É ao som o bombo leguero, tocado por todos os dançarinos, que mais uma vez a Companhia enfatizando a mistura da cultura gaúcha com o sapateado da dança flamenca. Estreando como diretora do espetáculo, Emily Borghetti conta que desde muito jovem Cadica sempre esteve envolvida com a cultura gaúcha, tendo sido até primeira prenda, mas foi no flamenco que ela se realizou. "É um ambiente onde não tem essa diferença de gênero para a dança, homens e mulheres têm o mesmo espaço", comenta Emily.

Da paixão pelo flamenco surgiu a escola Cadica Danças e Ritmos, que tem 23 anos. Emily, que é filha de Cadica e do músico Renato Borghetti, conta que carreira musical do pai fez com que Cadica começasse a fazer coreografias para o meio nativista.

Se equilibrando entre essas duas paixões a bailarina, professora e coreógrafa mixou um trabalho própria. Foi aí que surgiu a fusão do flamenco com o gaúcho, auxiliado pela utilização do bombo leguero.
No início o grupo era formado só por mulheres, que dançavam e tocavam o instrumento. As apresentações com o bombo se tornaram uma marca da Companhia e agora ganham espetáculo todo especial.

Mistura cultural

Emily estava grávida quando propôs o novo espetáculo no momento em que questionava os bailarinos sobre o que fazia o coração deles pulsar mais forte. "Ninguém sabia que uma coisa pulsava dentro de mim", fala ao se referir aos batimentos cardíacos do bebê que gestava.

A origem do bombo remete a Argentina, mas o instrumento foi absorvido pelas culturas pampeanas do Uruguai e do Rio Grande do Sul. Caracterizado por um timbre grave se podia ouvir a uma légua de distância. "É um instrumento antigo e muito nosso aqui do sul e que é tão singular", diz Emily.

E é a batida forte do bombo leguero que dá o ritmo desse espetáculo alicerçado na pulsação marcada ainda pelos pés e pelas palmas, duas espécies de "instrumentos percussivos" que aproximam o flamenco das danças gaúchas.

Palco diferente

Feliz com a primeira experiência solo na direção, Emily vê a obra levando novamente o nome da companhia de dança de Cadica para fora do país. Ainda este mês o grupo participa de festival de folclore em Canelones, no Uruguai. Antes faz apresentações em Rio Grande, sábado, Pelotas e Jaguarão, na segunda-feira.

O espetáculo foi concebido para teatros, mas para o Del Pátio foi preciso uma adaptação ao espaço, o que promete mais intensidade ainda. "Vai ser interessante fazer o espetáculo em um palco diferente", fala a diretora.

Os organizadores avisam que o Del Pátio Eventos possui 60 assentos, entre sofás, bancos e cadeiras. A sugestão, para as pessoas que necessitam se sentar, é que cheguem mais cedo para aproveitar o espaço.


Serviço

O quê: espetáculo Pulsar - O som que toca a alma

Quando: domingo (15), às 19h

Onde: Del Pátio Eventos, rua Guaíba, 50, Laranjal

Ingressos: pela plataforma on line www.sympla.com.br, onde podem ser parcelados e na Del Pátio Pizzas Y Pestos, avenida Adolfo Fetter, 900

Valor: R$ 50,00 (inteiro), R$25,00 (meio), R$30,00 (solidário, levar um quilo de alimento ou um litro de leite no dia do espetáculo)


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados