Fomento

Museu da Cidade terá recursos para ser implantado

Projeto contemplado por edital do Avançar na Cultura terá dois anos para ficar pronto

07 de Dezembro de 2021 - 10h27 Corrigir A + A -

Por: Ana Cláudia Dias
anacl@diariopopular.com.br 

Imóvel tombado vai passar por adequações para abrigar a nova instituição (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Imóvel tombado vai passar por adequações para abrigar a nova instituição (Foto: Carlos Queiroz - DP)

O Museu da Cidade de Pelotas começará a se materializar a partir do próximo ano. Contemplado com o + Museus, edital da Secretaria de Estado da Cultura (Sedac), que integra o bolo de investimentos do programa Avançar na Cultura. O projeto enviado pela prefeitura do município foi classificado em primeiro lugar e aguarda a assinatura do convênio. O prazo para recursos se encerra nesta quinta-feira.

Criado em 2012 através da Lei Municipal N. 5.952, o Museu da Cidade será instalado na Casa 6, da praça Coronel Pedro Osório, o imóvel é patrimônio federal, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em 1979. O projeto de implantação está orçado em R$6 milhões, com o edital, o município solicitou à Sedac R$4.495.370,23 e entrará com uma contrapartida de R$1,5 milhão.

Além de Pelotas foram contemplados projetos das cidades de Taquara, Santo Ângelo, Canoas, Santa Rosa e Lagoa Vermelha. O + Museus tinha valor inicial de 10 milhões. De acordo com as regras do edital, os projetos deveriam ter um valor mínimo de 2,5 milhões e máximo de 5 milhões. Na fase inicial de seleção, somente dois projetos foram contemplados, outras quatro propostas ficaram como suplentes, em função do valor do recurso total do edital ficar abaixo do solicitado pelas prefeituras proponentes, por ordem de classificação.

No entanto, Estado ampliou a verba destinada em mais R$ 7,9 milhões, chegando a um total de R$ 17,9 milhões de recursos estaduais, possibilitando que todos os seis projetos habilitados fossem classificados. "Este edital tinha um item de suplementação, a saber: 'O valor referido no subitem 2.5 poderá sofrer alterações a maior caso haja disponibilidade de recursos financeiros, interesse e conveniência da administração pública' ", explicou a Assessora Técnica da Sedac, Luísa Maciel. Apenas três propostas foram inabilitadas.

A liberação dos recursos ocorrerá em parcela única, após a celebração e publicação da súmula do convênio no Diário Oficial do Estado - DOE RS, e será realizada na forma de empenho prévio e posterior liquidação. O que deve ocorrer no próximo ano. "Ainda temos que fazer a última publicação de classificação, após o prazo legal para recursos. Após essa fase, teremos a etapa de conveniamento, que é quando as prefeituras proponentes apresentam toda a documentação exigida e só depois disso vem a liberação dos recursos", esclarece Luísa.

Três ações

Assim que estiverem com o recurso, as prefeituras têm até dois anos para execução do projeto. De acordo com o diretor do Sete de Abril, Giorgio Ronna, que responde pela equipe de implantação do novo Museu, no projeto enviado pela prefeitura de Pelotas, estão propostas três grandes ações que envolvem arquitetura, complementares e a instalação propriamente dita.

O projeto apresentado no edital foi finalizado em 2016 e teve a aprovação da Secretaria Municipal de Cultura e do Iphan. Em concordância com a exigência do prazo de dois anos para conclusão, previsto no edital, no primeiro ano o Casarão 6 passará pela fase que engloba a arquitetura, com adaptações pontuais de acordo com as necessidades, pintura, tratamento de esquadrias de madeira e restauro. "Temos algumas coisas pra restaurar", fala Ronna.

Os projetos complementares incluem sistema de sonorização, climatização, instalações elétricas e do sistema luminotécnico, acessibilidade e Plano de Prevenção Contra Incêndio (PPCI). "Ao longo desse período terá início o trabalho dos especialistas para produção de conteúdo, aquisição de objetos e direitos de uso de imagem", antecipa o diretor.

No segundo ano será executada a Museografia com a preparação das salas chamadas Praça das Artes, Panorâmica, Memorial da Casa, História Animada e Memórias do Esquecimento. Ainda também nesta fase serão adquiridos os equipamentos de tecnologia e mobiliários, as comunicações visuais e sensoriais e a montagem do material. O local ainda vai ter salas multiuso, da administração e reserva técnica.

Lugar inovador

Museu da Cidade de Pelotas foi pensado para se transformar em um centro de reflexão sobre a história do município e também um referencial para propostas de futuro. Em 2014 a prefeitura contratou o escritório Texto e Imagem de São Paulo para a elaboração da Curadoria dos Conteúdos do museu, do Plano Museológico, do Plano Museográfico, do Projeto de Arquitetura, Conservação e Restauração do museu assim como dos Projetos Complementares de Engenharia. Essa empresa foi responsável pelo projeto do Museu da Língua Portuguesa de São Paulo.

Ao longo de dois anos a equipe da Texto e Imagem colaborou com um extenso time de pesquisadores e especialistas pelotenses das áreas de história, arqueologia, antropologia, artes, literatura, ecologia assim como artistas visuais, designers, quadrinistas, músicos e poetas pelotenses. Com o objetivo de estabelecer um diálogo entre as tradições históricas da cidade com as práticas artísticas contemporâneas, a equipe formatou um Museu da Cidade de Pelotas como um lugar inovador de preservação da história da cidade, de sua diversidade étnica, de suas múltiplas práticas culturais e científicas.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados