Estilo

Moda para inspirar empatia

Maior evento fashion da Zona Sul se renova apostando na tecnologia para driblar as dificuldades e no potencial inclusivo do setor

08 de Novembro de 2020 - 09h31 Corrigir A + A -

Por: Ana Cláudia Dias
anacl@diariopopular.com.br 

Em meio a pandemia cercando as pessoas por tantas impossibilidades, a palavra reinvenção ganhou uma força tremenda. E mais do que um vocábulo se tornou exemplo em diversos setores. Não poderia ser diferente com a moda, os trabalhadores deste setor continuam criando e produzindo vestuário, calçados e acessórios que precisam chegar ao público. Mas como fazer isso? A resposta mais utilizada por quem está neste meio é: “indo ao encontro do público”. Neste caso o encontro tem sido em ambientes abertos, como nas ruas, e no meio digital.

Fazer eventos de moda ao ar livre e transmiti-los de forma on-line, tem sido a saída para as marcas. É dessa fonte que bebe a 27ª edição do Moda Pelotas - Primavera/Verão 2020/21. Readaptado para o momento atual o evento ganhou um formato virtual, um “fashion show”, gravado no largo do prédio da antiga Estação Férrea. A exibição ocorre nesta quinta-feira (12), às 21h, com acesso por link disponibilizado pela produção. “Essa edição especial foi baseada nas alterações que estão acontecendo na parte fashion internacional. A gente pinçou um pouco do que estão fazendo para chegar ao que preparamos para colocar no ar para o pessoal”, explica o produtor geral do Moda Pelotas, André Guerra.

A ideia é levar sensações ao público que está em casa, para que com isso a plateia virtual consiga entrar nesse novo momento que a moda vive. A gravação do programa foi feita em um único dia e Guerra confessa que se sentiu como um guri. “Tava na hora dessa mudança”, diz o produtor sobre o sentimento de renovação que tomou a equipe nos bastidores.

Segundo Guerra, por mais que o momento pedisse uma edição diferenciada, todas as expectativas dos organizadores estão sendo superadas. “É como se eu estivesse fazendo o primeiro desfile de moda da minha vida”, fala o produtor que este ano completa 40 décadas atuando no setor.

Como nos anos anteriores, para assistir ao evento é preciso um convite, que é fornecido gratuitamente por uma das 17 empresas participantes, basta solicitar. Por ser uma edição digital, esse convite contém uma hashtag, que é o código de acesso ao cadastro no site (modapelotas.com.br). Depois é só aguardar para receber o link exclusivo do fashion show.

A partir do dia 13 vão ser liberadas as imagens por desfile. Assim o público pode voltar para assistir somente as coleções que mais interessaram. Também na página vai estar o look book de todos as roupas que foram para a passarela. O consumidor vai poder clicar na imagem de interesse e ser remetido diretamente para a loja.
A ideia é que, no conforto do lar, o consumidor com poucos cliques entre em contato com o vendedor e, se desejar, receba o produto sem sair de casa. Com esta inovação, o Moda deixa de ter só aquele aspecto festivo e passa a ser também um evento comercial. “É uma forma da pessoa já ir direto pra compra, além de fazer esse contato com as empresas, o que é muito importante também. Isso não acontecia antes”, diz André Guerra.

Empatia e inclusão

Mas quem pensa que a digitalização do evento é a grande novidade vai se surpreender. As bases do Moda Pelotas foram construídas também sobre outro viés: o da diversidade.

Sim, o respeito às diferenças é outra bandeira do evento. “Há muito tempo a gente vem tentando tornar o cast o mais diverso possível. Esse ano a gente inseriu não só no desfile, mas na comunicação do evento como um todo”, explica a produtora de moda e styling Frantieska Schneid. No material publicitário do evento aparecem modelos de diferentes biotipos e idades.

Para Frantieska é importante buscar essa diversidade por que a moda não pode impor, nem restringir. “Se falamos tanto de empoderamento feminino, da liberdade das mulheres e da valorização do seu corpo, a moda não pode podar isso, não faz sentido. Temos que buscar essa representatividade.”

A escolha da locação do desfile também vai ao encontro da proposta, já que é um local onde pessoas de diferentes estilos e lugares se cruzam. Recentemente revitalizado o largo em frente ao prédio da antiga Estação Férrea serviu de passarela.

Esse é o terceiro ano consecutivo que o Modo Pelotas vai ao encontro do público, desde que saiu do Centro de Eventos da Fenadoce. Em 2018 e 19 o evento ocorreu no Largo Edmar Fetter, do Mercado Central, marcando espaço no patrimônio arquitetônico do município. “A moda vai ganhando mais a cidade e não só nas salas fechadas, para um público restrito. O que a torna mais democrática”, diz a produtora.

As gravações ocorreram na semana passada, nos turnos da tarde e noite de um mesmo dia, e contaram com a participação dos 17 lojistas, que levaram 15 looks. O evento teve ainda um desfile organizado pelos alunos curso Tecnologia em Design de Moda do IFSul/CAVG.

Mesmo as próprias marcas estão tendo que se reinventar neste momento em que o consumo está sendo repensado. “Todo mundo foi buscar alguma alternativa para ficar no mercado”, comenta Frantieska.
Marcas como Casarin Basic e Beth Schneid, por exemplo, estão investindo na home wear. Aquela roupa confortável para ficar em casa, sem deixar de ser elegante e de bom gosto e que pode até ir pra rua.

O que usar

Quanto as tendências apresentadas, Frantieska destaca na moda primavera/verão as cores mais claras e os florais. As modelagens, segundo ela, estão mais amplas, o que abre espaço para os breeze dress. “São aqueles vestidos bem amplos, com babados. Eles estão aparecendo com muita força”, diz.

O linho continua também muito forte, bem como as cores terrosas e o tie dye. Na passarela também os tamanhos grandes, com as modelagens de Alexia Kaufmann All Size. E para incentivar o consumo consciente, Aura Consultoria de Imagem e estilo, sem falar em tendências, apresentou um desfile todo com peças em preto e branco e em jeans. “Com o básico você pode estar na moda com truques e estilo e inserção de acessórios. Looks para que nesse momento de pandemia as pessoas possam se reinventar com o que têm em casa.”

Marcas que vão desfilar:
-3 Gurias; Alexia Kaufmann All Size; Crum; Arataca; Ótica Portuguesa; Todo Cambia Brechó Bazar; Tecnologia em Design de Moda - If Sul / CAVG; Casarin Basic; Guidotti; Aura; Feito para Ninar; Beth Schneid; Lála Sanguiné; Pompéia; Rosa Limão; Suporte Fashion e Norton Duarte

O quê
Moda Pelotas Primavera/Verão 2020/21

Quando
quinta-feira (12), às 21h

Onde
link pela página do evento (modapelotas.com.br)

Convites
com os lojistas

Apoio
Sebrae, Sesc Fecomércio, CDL, Prefeitura Municipal (através das Secretarias de Desenvolvimento Econômico e Turismo e da de Cultura)

Patrocínio
Lojas Pompéia


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados