Cinema

Lembranças de uma vida

Com tom autobiográfico, Almodóvar aposta em uma abordagem mais intimista para "Dor e glória"

24 de Julho de 2019 - 18h59 Corrigir A + A -
Antonio Banderas vive o alter ego de Almodóvar nas telas (Foto: Divulgação - DP)

Antonio Banderas vive o alter ego de Almodóvar nas telas (Foto: Divulgação - DP)

Com mais de um mês de atraso, o novo longa-metragem de Pedro Almodóvar finalmente chega a Pelotas. Houve até mesmo campanha na internet para incentivar a estreia no Cineflix Cinemas. Cercado de elogios pela crítica, Dor e glória é considerado o projeto mais introspectivo do diretor espanhol, principalmente pela substituição dos exageros habituais de sua filmografia por um olhar mais realista para as situações dramáticas.

A trama acompanha o melancólico cineasta Salvador Mallo, interpretado por Antonio Banderas, que repassa suas escolhas de vida. Do vasto passado, ele reflete a respeito da infância na década 1960; a descoberta da orientação sexual; o processo de imigração; o interesse pela Sétima Arte; seu grande amor na Madrid dos anos 1980 e a relação da escrita e o cinema.

Extremamente pessoal, a saga de Mallo mistura ficção e realidade. O próprio Almodóvar confessou o caráter autobiográfico do projeto, tendo como inspiração o clássico 8 e meio (1969), de Federico Fellini, no qual o italiano realiza o processo catártico de rever sua existência nas telas.

O vigésimo filme do cultuado diretor espanhol rendeu a Banderas o prêmio de melhor ator no Festival de Cannes deste ano. Ainda no elenco, destacam-se a atriz Penélope Cruz, cuja parceria com Almodóvar já rendeu Carne trêmula, Tudo sobre minha mãe, Volver, Abraços partidos e Os amantes passageiros, e a cantora Rosalía, sensação da música espanhola.

Título original: Dolor y gloria
Duração: 113 minutos
Classificação: 16 anos

Sala 1 - Legendado - Às 19h35min e 22h05min


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados