Arte

Entre legado e lembranças

Exposição "Instantes de permanência" contextualiza em Pelotas o fazer artístico de Cláudio Martins Costa

12 de Novembro de 2019 - 10h00 Corrigir A + A -
Filho do artista, Clóvis seguiu carreira no ensino da arte  (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Filho do artista, Clóvis seguiu carreira no ensino da arte (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Porto-alegrense recebe exposição e catálogo de suas obras (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Porto-alegrense recebe exposição e catálogo de suas obras (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Mostra reúne várias obras do acervo e também de colecionadores (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Mostra reúne várias obras do acervo e também de colecionadores (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Com esculturas, desenhos, pinturas, documentos de trabalho, ferramentas e fotografias, a obra artística de Cláudio Martins Costa (1932-2008) revive na exposição Instantes de permanência, disponível para visitação até o dia 15 de dezembro no Museu de Arte Leopoldo Gotuzzo (Malg). A curadoria é do filho do artista, o professor do Centro de Artes da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Clóvis Costa, e da professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Tetê Barachini. 

A mostra surge como forma de regastar o trabalho desenvolvido pelo porto-alegrense, que desenvolveu uma extensa obra em várias coleções. Graduado em Escultura e licenciado em Desenho, Cláudio foi professor do Instituto de Artes da UFRGS e do Atelier Livre Xico Stockinger. “O ensino sobrepôs ao mercado da arte”, comenta o filho e curador. 

O objetivo de Instantes de permanência é oferecer visibilidade para um artista que atuou quase que exclusivamente no circuito da capital. “Por isso, é importante trazer para o interior do Estado”, avalia Clóvis. A exposição chega a Pelotas depois de ser montada na Pinacoteca Barão de Santo Ângelo e pelo Museu de Arte do Rio Grande do Sul (Margs), ambos em Porto Alegre, durante os meses de agosto e setembro. Apesar do mesmo título, cada realização apresentou diferentes obras do artista, conforme o espaço expositivo.

Modelador das formas
A mostra no Malg apresenta ênfase no bidimensional, pelos quais pulsa a parte mais gráfica do acervo do homenageado. Reúne desde as primeiras obras, como Índia sentada, uma pintura a guache de 1960, até o último desenho produzido por Cláudio, Casa velha da chácara, de 2008, que remete ao lugar em que o artista nasceu e depois acabou transformando em seu próprio ateliê. 

O título da exposição, segundo o curador, compreende lembrar de momentos que resistiram ao tempo, ou seja, o legado de um artista e educador. Voltar as atenções para esse material envolve uma forte carga emocional para Clóvis, o que retardou por mais de dez anos a realização deste tributo. “No começo era difícil mexer no espaço de trabalho dele. Agora, tornou-se minha missão. Dos oito filhos, fui o que seguiu no campo da arte”, comenta. 

A proposta foi montar uma exposição capaz de circular por várias galerias de arte e ainda promover o lançamento de um catálogo, com fotografias das obras de Cláudio Martins Costa acompanhadas de textos produzidos por artistas convidados. Desta forma, o projeto convida as pessoas a refletirem sobre o arte-educador, e também sobre a identidade de uma região, formada pela cultura forte do gaúcho, mas também pela contribuição dos índios. “Ele tinha um olhar atento e carinhoso para os seres criados na natureza”, entrega. 

Com esse olhar de respeito, Cláudio criava formas e volumes na representação de figuras do imaginário pampeano. “A escultura é uma emoção em volume”, dizia o artista. Em destaque no museu, obras em bronze e cimento, apresentam desde santos, como Antônio e Francisco de Assis, passando por animais até guerreiros e índios. Também fazem parte ferramentas de ateliê e uma vitrine com diversos documentos, entre esboços, fotografias e escritos.

O quê
exposição Cláudio Martins Costa - Instantes de permanência

Quando
até o dia 15 de dezembro, de terça a domingo, das 10h às 19h30min

Onde
Museu de Arte Leopoldo Gotuzzo, na praça Sete de Julho, 180

Entrada franca

*No dia 20 deste mês, a Galeria Luciana Renk Reis, também no Malg, recebe coletiva que reúne obras artísticas inspiradas no trabalho de Cláudio Martins Costa


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados