Ação

Emoção na entrega de prêmios

Depois de Pelotas, selecionados de Rio Grande recebem valores nesta terça-feira (4)

04 de Maio de 2021 - 11h31 Corrigir A + A -

Por: Ana Cláudia Dias
anacl@diariopopular.com.br 

Músicos Nato (E), Ítalo Guerreiro e Ketelem Lima receberam as premiações das mãos da secretária Beatriz Araújo e  do secretárío  Paulo Pedrozo (Foto: Michel Corvello /Ascom - Especial DP)

Músicos Nato (E), Ítalo Guerreiro e Ketelem Lima receberam as premiações das mãos da secretária Beatriz Araújo e do secretárío Paulo Pedrozo (Foto: Michel Corvello /Ascom - Especial DP)

Muitos sorrisos de alegria e de gratidão e até lágrimas marcaram a entrega dos prêmios do edital Ações Culturais das Comunidades ontem em Pelotas. A seleção público, com financiamento da Lei Aldir Blanc, foi realizada por meio de parceria entre Secretaria de Estado da Cultura (Sedac) com a Associação de Desenvolvimento Social do Norte do RS (ADESNRS), Cufa Frederico Westphalen e Cufa RS. Ontem, pela manhã e tarde os contemplados de Pelotas receberem os pagamentos do edital. Hoje os pagamentos começam a ser feitos em Rio Grande. A cerimônia está marcada para às 9h, na Secretaria Municipal de Cultura do vizinho município.

A cerimônia ocorreu no Mercado Central e contou com a presença da secretária de Estado da Cultura, Beatriz Araujo, do coordenador da Cufa de Frederico Westphalen, Júnior Torres e do secretário de Cultura de Pelotas, Paulo Pedrozo, entre outros. O edital garantiu R$ 933 mil aos selecionados do município, que receberam valores de R$ 2 mil, R$5 mil e R$10 mil.

O edital vai repassar cerca de R$1,5 milhão para as iniciativas culturais e os agentes culturais das comunidades periféricas atendidas pelo Programa RS Seguro da Secretaria Estadual de Segurança Pública, foco do Edital Ações Culturais das Comunidades, nos dois municípios. Para evitar aglomerações a entrega ocorreu com hora marcada, dividindo o público em blocos de 15 pessoas.

"Avaliamos positivamente tanto o valor, quanto o método utilizado de fazer essa busca ativa, procurando contemplar pessoas que nem se entendiam enquanto trabalhadores da cultural", avaliou o coordenador da Cufa em Pelotas, Sandro Mesquita. Para coordenador o edital promoveu um resgate da identidade cultural dessas pessoas dentro das periferias. Em Pelotas o edital contemplou moradores do Areal e Três Vendas.

Para Mesquita também foi muito importante o mapeamento que foi feito dentro dessas localidades. "Foram mais de 500 cadastros que a gente fez, a grande maioria de pessoas que nunca tinham entrado em um edital porque não conheciam o mecanismo e porque achavam que aquilo não pera para eles."

A secretária da Cultura, Beatriz Araujo, que esteve presente em Pelotas e vai estar hoje em Rio Grande, comentou ao Diário Popular que este edital foi o que teve maior fluidez sendo desenvolvido de uma forma muito satisfatória. "Estamos muito satisfeito com essa parceria com a Cufa", disse.

Beatriz ainda afirmou que esse edital deve ocorrer novamente no próximo ano, para isso está sendo pleiteado recurso. "Estamos contemplando um número muito grande de pessoas que nunca foram contempladas em nenhum edital e que sempre trabalharam com cultura."

Emocionada com o resultado, Beatriz conta que defendia esse formato de edital voltado para as comunidades mais vulnerabilizadas do Estado e que esta proposta seria implementada pela Secretaria, mesmo sem a Lei Aldir Blanc. "Se fizéssemos com o recurso que tínhamos inicialmente teríamos alcançado um número muito menor de pessoas", comentou.

A secretária ainda lembrou o valor que se tem dado ao retorno que a Sedac tem recebido em termos de mapeamento dos indicadores culturais. "É tudo que um gestor da cultura quer, poder alcançar um público que até então estava alijado de todos as políticas públicas."

Beatriz comparou o trabalho feito sem essa dimensão de público a uma ação feita quase às escuras. "Nós não temos os indicadores da cultura e com a chegada da Aldir Blanc, não só com esse, mas os outros editais, estamos mapeando esse público. Estamos reunindo esses dados para poder fazer uma entrega mais precisa."

Ajuda na hora

Um destes premiados em Pelotas foi o compositor, poeta e cantor Paulo Renato Barbosa, 66, conhecido como, Simplesmente Nato. "A gente tava precisando de um projeto que fosse bem mais inclusivo, que dessa visibilidade não só para mim, que já participei de outros projetos, mas pra aqueles que nunca tiveram oportunidade", comentou.

Presidente e fundador do Clube de Cantores de Pelotas, há alguns anos ele lança CDs com poesias e composições abordando os bairros da cidade, dessa proposta o autor conseguiu homenagear o Santa Terezinha, onde mora, o Areal e o Fragata. "Sempre tento destacar as peculiaridades dos bairros, as lendas, as pessoas que se destacam. É um trabalho bem legal, mas não tem muita divulgação", conta.

Sobre o edital da Cufa, Nato fala que chamou a atenção o empenho dos organizadores em ajudar as pessoas a se inscreverem no edital. Ele mesmo ficou sabendo do processo de seleção quando foi organizada a ˜busca ativa'' nos bairros. "Foi muito legal."

Apesar de ser um artista, Nato não vive da arte, pelo contrário, o dinheiro que ganha, quando pode investe na carreira. Uma das atividades que traz renda para o compositor são os passeios de pônei que ele proporciona às crianças, em locais como a praia do Laranjal, iniciativa que naturalmente ficou prejudicada por causa da pandemia.

Mesmo assim ele não desiste e diz que esse prêmio vai ajudar a impulsionar o trabalho autoral. Atualmente Nato está gravando um CD intitulado Comemorar a vida. "Esse projeto da Cufa veio ao encontro do que eu estava precisando."


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados