Audiovisual

Diálogos musicais com a natureza

Projeto apresenta EP feito por músicos que moram no Laranjal

02 de Outubro de 2021 - 11h13 Corrigir A + A -

Por: Ana Cláudia Dias
anacl@diariopopular.com.br 

Rizoma diz que o Laranjal é um lugar de aprendizado (Ilustração de Bruna Klein - Especial DP)

Rizoma diz que o Laranjal é um lugar de aprendizado (Ilustração de Bruna Klein - Especial DP)

Laranjal em cena está disponibilizado no site do Laboratório Rizoma (Ilustração de Bruna Klein -Especial DP)

Laranjal em cena está disponibilizado no site do Laboratório Rizoma (Ilustração de Bruna Klein -Especial DP)

"...sou natural de Minas Gerais, vim com esposa e filho estudar música em Pelotas. E resolvi morar no Laranjal. Esse lugar sagrado..." É com esse texto que o músico Myro Rizoma começa Laranjal em cena, um curta-documental do projeto de mesmo nome que leva ao público um EP e um E-Zine (revista digital). Mais do que apresentar uma proposta artística, esse conjunto de obras expressam o amor e o respeito do violonista e compositor por esse cantinho do município. Uma admiração que ele compartilha com os convidados, a maioria moradores do balneário.

Parceira no projeto, a também mineira Ariana Coelho - acadêmica do curso de Musueologia da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e esposa de Rizoma- explica que na realidade são dois projetos que declaram toda a gratidão que os dois mineiros têm por estarem nas terras da Princesa do Sul. Um deles é o Laranjal em cena, um EP com seis composições: Observar - Absorver, Faça o tempo e Semente elétrica, de Myro Rizoma, Terra Brasil, de Natan Ferreira, Entre o bem e o mal, de Enrico Anselmi, e Dose de conhaque, de João Cherubin.

O EP tem Produção Musical e Direção de Myro Rizoma. O álbum conta com a participação de grupos e artistas convidados, as bandas Matudari e Semilla Wind e os músicos Marília Piovesan, Daniel Zanoteli, Enrico Anselmi e João Cherubim.

A outra proposta é o Zinecast - Inventário de Fazeres e Saberes. Os projetos foram contemplados pelo edital Criação e Formação - Diversidade das Culturas, realizado pela Secretaria de Estado da Cultura juntamente com a Fundação Marcopolo, com recursos da Lei Aldir Blanc.

Ariana conta que a vontade de falar sobre o Laranjal e de alguma forma agradecer pelo contado diário com a natureza era antigo. O casal chegou em Pelotas em 2015, quando Myro veio cursar Ciências Musicais e logo foi morar no balneário. Nesse meio tempo tiveram um filho, que nasceu em Belo Horizonte, mas começou a morar no bairro aos cinco meses. "A gente é apaixonado pelo bairro", fala Ariana. Uma paixão que não poderia transbordar de outra maneira se não em forma música.

"O Myro já tinha essa ideia na cabeça que ele queria fazer um EP ou quando ele tivesse uma oportunidade de contar um pouco das experiências juntar as pessoas que a gente conhece, que são artistas do bairro. Então surgiu esse edital da Fundação Marcopolo, quando a gente colocou o que tinha no papel para fora", conta a co-produtora. As ideias surgiram do dia a dia deles, das histórias que eles vivenciaram e acompanham nestes seis anos em Pelotas.

Dos músicos convidados para o EP apenas dois não moram no balneário, mas já residira por lá. "Tomamos esse cuidado de trazer artistas que moram aqui", fala. O objetivo de Rizoma é fazer uma espécie de cartografia da cena musical do Laranjal.

Observando o processo

A partir do Laranjal em cena foi produzido o curta documental, com cerca de 20 minutos, que traz as impressões carinhosas e contundentes de Rizoma sobre o balneário e o making off da trajetória da gravação do EP e dos movimentos da cena do Laranjal. Além de um E-Zine (revista digital) contando o processo de gravação desse trabalho e a história de cada banda/artista participante.

Todo esse material produzido desde abril deste ano pode ser apreciado no site Laboratório Rizoma (www. labrizoma.com). Um rico conteúdo desdobrado em vídeo, áudios e podcasts, material com acessibilidade por meio de descrição em libras e transcrição de letras e entrevistas. A concepção visual e produção em Aquarela das Artes Gráficas do projeto são assinadas pela artista Bruna Klein.

Quem conhece?

O Zinecast Fazeres e Saberes foi ao encontro também da área de interesse de Ariana, que é da Musueologia. "Eu trabalho muito com essa questão de documentar coisas, de histórias das pessoas também."

O projeto conta com sete entrevistados, um em cada episódio, do Zinecast. O conteúdo aparece em formato de Podcast e Zine, nos quais os convidados, a partir de entrevistas, fazem os relatos dos seus processos de construção, os obstáculos enfrentados, suas histórias e curiosidades sobre fazeres e saberes artísticos de diversas categorias, como música, culinária, dança, literatura, cinema, teatro e arte indígena.

Ariana diz foram escolhidas pessoas que eles consideram ter atuação relevante na comunidade pelotense, dentro das suas áreas, mas que ainda são pouco conhecidos da maioria. Os entrevistados são: a doceira Kris Fernandes, Bruna Santos da Silva (música), Emanuel da Luz Dias (dança), Ricardo Reinhardt (literatura), Luiz Fabiano Gonçalves (cinema), Ingrid Silva Duarte (teatro) e Bruna Lopes Silva (arte indígena)

O conteúdo do ZineCast pode ser encontrado no site do Laboratório Rizoma e nas redes sociais Instagram e Facebook (@zinecastsatolep). Já o curta (Documentário Laranjal em Cena) e as composições estão no canal de Myro Rizoma no Youtube e nos perfis do músico do Instagram e Facebook. "Mas como tem o site, dá para você encontrar ali tudo o que a gente ofereceu como produto final", comenta Ariana.

Sobre o Zine, Ariana diz que foram feitas alguns exemplares da revistinha, mas esse material vai ser distribuído aos artistas que concederam a entrevista. Nos próximos meses outras impressões devem sair, este material será distribuído pela cidade nos próximos meses. "Queremos que esses dois projetos sigam rodando na cidade, que eles não fiquem parados."


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados