Literatura

Até o ano que vem

47ª Feira do Livro despede-se da praça com 59 mil exemplares comercializados

17 de Novembro de 2019 - 23h14 Corrigir A + A -

Por: Cíntia Piegas
cintiap@diariopopular.com.br 

Maria Alice. Professora aposentada adquiriu o livro de Fernanda Montenegro. (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Maria Alice. Professora aposentada adquiriu o livro de Fernanda Montenegro. (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Público aproveitou os saldos do último dia.  (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Público aproveitou os saldos do último dia. (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Livro que conta histórias de Pelotas é um dos mais procurados.  (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Livro que conta histórias de Pelotas é um dos mais procurados. (Foto: Carlos Queiroz - DP)

A 47ª Feira do Livro de Pelotas chegou ao final consolidada com o público, que mais uma vez interagiu com os livros, autores, atrações musicais, apresentações artísticas e com a praça Coronel Pedro Osório. Com o início da edição comprometida pelo mau tempo, a reta final e o encerramento foram contemplados por dias de sol e noites de calor que atraíram leitores para as bancas. O presidente da Câmara Pelotense do Livro, Carlos André Silva - antes das badaladas do sino que anunciaram o final do evento - confirmou que as vendas chegaram a 59 mil exemplares (estimativa a ser confirmada ainda). Até quinta-feira, foram comercializados 55 mil obras.

No topo dos mais procurados, Lady Killers, assassinas em série, de Tori Telfer, e Fernanda Montenegro - prólogo, ato, epílogo: memória. Este último adquirido pela professora estadual aposentada, Maria Alice Gastaud, que aos 87 anos diz que tem algo para aprender com a atriz global. “Ela é um pessoa da minha idade e pode me ensinar muito.” Quem é de uma outra geração diz acreditar que o gênero em quadrinhos mangá não deve sair de moda tão cedo. A garantia vem dos irmãos Josué, 18, e Davi, 15, que aproveitaram o evento para adquirir One Piece e outro livro de ficção. “Encontramos preços mais acessíveis na feira”, disse o estudante do IFSul, Josué Mesquita de Oliveira.

Avaliação
Além do fator clima, os organizadores observaram uma grande diferença no público frequentador. “Sentimos muita falta das crianças das escolas públicas circulando pela feira e também nas apresentações artísticas”, comentou uma das organizadoras, Theia Bender. Para ela, os pequenos visitantes são multiplicadores em potencial e poderiam convidar a família para mais uma vista à feira. Outro fator é a data do evento, que coincide com a Feira de Porto Alegre. “Muitos autores priorizam o evento da capital e têm obras que demoram a chegar aqui, como por exemplo, Chico Buarque, que chegou há pouco e tem boa saía”, relatou Gelso Lovatel.

Um fato positivo que chamou a atenção da proprietária de livraria, Cristiane Mulling, foi a novela Global Bom Sucesso, cujo enredo centra em uma editora de livros. “Clássicos como O Mágico de Oz tem tido boa saída. Inclusive essas obras seguirão à venda na loja por R$ 15,00”.

Fica a dica
Ainda na lista dos mais vendidos ficaram Mais perfeito que paraíso e outro destinos de Pelotas, organizado por Ayrton Centeno; 1824, de Rodrigo Trespach; Escravidão, de Laurentino Gomes, volume 1; Mulheres que correm com os lobos, de Clarissa Pinkola Estés e Conte-me um conto, de Aldyr Garcia Schlee, que a partir de agora podem ser adquiridos nas livrarias.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados