Música

Álbum com conceitos

Banda esquimós lança Bonança, segunda parte do que pretende ser uma trilogia de discos

07 de Outubro de 2019 - 19h32 Corrigir A + A -
César Gularte (E) e Joaquim Mota formam o agora duo (Foto: Marcela Mota/Especial DP)

César Gularte (E) e Joaquim Mota formam o agora duo (Foto: Marcela Mota/Especial DP)

A liquidez do alt-J, com o peso do Queens of the Stone Age e a experimentação dos Mutantes. Para o bem da música de qualidade, a banda pelotense esquimós está de volta. O agora duo lançou o disco Bonança. Financiado pelo Procultura Pelotas, o trabalho faz parte do catálogo do selo Escápula Records e está disponível em todas as plataformas digitais.

A esquimós surgiu em meados de 2012 com um EP contendo quatro grandes canções que logo caíram no gosto do público alternativo da cidade. Em 2015, o full Âncora, já pela Escápula Records, trouxe aquelas composições com novas roupagens, além de inéditas. Um ano depois, De ponta-cabeça trouxe mais duas canções igualmente recheadas de pretensão que faz falta nos tempos atuais.

Bonança dá agora sequência ao que se pretende como trilogia. "Como nossas músicas são muito íntimas, e a ideia é ser o mais cru e honesto, é muito sobre nós e nossas experiências. Como ainda somos nós, acaba tendo semelhanças", comenta o multi-instrumentista Joaquim Mota. "De diferente, é que nesse disco conseguimos conceber o álbum desde o início, todas as músicas foram compostas pensando no disco como um todo, e quisemos evoluir, ir pra frente, não nos repetirmos", salienta.

Mota faz questão de destacar que não se trata de um álbum-conceito, entretanto, mas sim um álbum com conceito. "No cenário da música independente, por ser um cenário mais voltado para as questões artísticas, eu acho que existe muita vontade, mas a concretização é difícil pela falta de incentivo e, principalmente, porque a forma com que as pessoas estão consumindo música está mudando muito. Hoje, o mais comum é lançar EPs, compactos e mais trabalhos com audiovisual."

O Procultura Pelotas é exemplo desse incentivo que o músico crê estar em escassez na atualidade. Para ele, o programa municipal teve total importância na realização do disco. "Financiamentos para projetos culturais como este são extremamente importantes para artistas que estão começando e para artistas independentes. É um combustível indispensável para a engrenagem da cultura e da expressão artística da cidade."

Mudanças
A esquimós começou como um quarteto. Ao longo do percurso se transformou em um trio. Agora é um duo, formado por Joaquim Mota e pelo baterista César Gularte, e a mudança é recente: foi em maio, com o disco já composto, que Matheus Costa se mudou de país. Na visão de Mota, a nova formação, mais do que apresentar dificuldades, abre novo universo de possibilidades para a banda, que se apresentará como um quinteto nos palcos. "Além de estarmos usando outros instrumentos e sonoridades, estamos tocando com pessoas diferentes, o que agrega muito", justifica.
O resultado, ao vivo, será possível de ser conferido no dia 6 de dezembro, na Bibliotheca Pública Pelotense, no primeiro show de Bonança. Depois, a ideia é fazer outras apresentações em Pelotas e realizar uma turnê pelo Sul do Brasil.

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados