08 de Fevereiro de 2021 - 08h43

Sacada Cidadã – primeira parte

Por: Pluralidade Esportiva

Por: Ingo Stumm Junior, colaborador 
ingovolei@gmail.com

Pelotas tornou-me, por sua história esportiva e competência universitária, um apaixonado do voleibol. Minha vida tem sido a dedicação no ensino do vôlei para muitas gerações de pelotenses. Mais do que ensinar a jogar, estar numa quadra é transformar pequenos apaixonados pela bola, a sonhadores de um mundo melhor, através deste encantamento que o esporte faz. Tenho uma gratidão e um compromisso com Pelotas por me tornar um profissional do voleibol e sempre imaginei uma forma de poder devolver isto por meio de um projeto audacioso de formação de crianças e jovens.

Deste sentimento surgiu o SACADA CIDADÃ. Como trabalhei com o vôlei na maior parte do tempo em entidades privadas (escolas e clubes), queria uma forma onde mais crianças vivenciassem aquilo que somente as crianças que pudessem pagar vivenciavam. O efeito do encantamento que uma bola faz numa criança, é algo que ainda não foi bem explicado ou entendido, mas é fantástico o brilho dos olhos de cada criança quando um professor adentra a quadra com um carrinho de bolas. E a magia começa quando o professor autoriza o acesso a este material tão simples, de forma esférica e que permite cada criança viver seu momento de glória. E me inquietava poder proporcionar esta magia a outras crianças. Claro que não estava inventando a roda, já existem projetos semelhantes em outros locais do estado e do país. Mas foi inspirado pelo projeto do Ijuí pro Vôlei, coordenado brilhantemente pelo Alex Lenz em Ijuí, que o Sacada começou a tomar forma. Primeiro veio o sonho, depois as noites mal dormidas imaginando os primeiros passos, as ideias saindo da cabeça e tomando lugar em rascunhos, até que em 2013 o projeto foi apresentado a Secretaria Municipal de Educação da Prefeitura de Pelotas, da qual sou professor concursado desde 1994.

Projetos são projetos e para saírem do papel precisamos de pessoas que acreditem neles. E assim foi naquela tarde onde fui apresentar o Sacada ao responsável pelo desporto da Smed Sérgio Ferreira, um cara referência por causa do comprometimento que tem com o esporte na nossa cidade. E ele acreditou. Com o aval do Sérgio, fomos ao Secretário da Educação na época, Gilberto Garcia o Cachoeira, que ouviu atentamente e começou a sonhar junto, pela enorme sensibilidade que tem imaginando tantas crianças praticando o voleibol e acima de tudo sendo felizes. Assim surgiu o Sacada Cidadã da Prefeitura de Pelotas e de lá pra cá muitas crianças de diversos pontos da cidade já tiveram a sua oportunidade de vivenciar o voleibol. Nos primeiros anos do projeto, ressalto a importância do Professor Marcelo Silva, que abraçou a ideia e ajudou a construir o Sacada. A forma de divulgação acontecia por dentro das escolas, onde íamos fazer aulões de vôlei, mostrando pras crianças um pouco do que teriam nas aulas. Começar algo novo não é fácil, até nos estruturarmos tivemos como monitores os estagiários da Faculdade Anhanguera Vanessa Nunes, Nicholas Amaral, Fabiana Guterres e Rafael.

Como projeto da Secretaria Municipal da Educação, tivemos outros professores que passaram pelo Sacada e deixaram a sua contribuição, destacando Bianca Morais, Rafael Barbosa, Fernando Tavares, Caroline Maluê e a estagiária Miriam Dallmann. Começamos com dois núcleos em parcerias, uma com o SEST SENAT e outra com um ginásio no bairro  Navegantes. A experiência no Navegantes foi fantástica, pois o ginásio era precário (na verdade uma quadra de cimento coberta), mas a alegria daquelas crianças em fazerem parte de algo, terem o seu espaço e serem sujeitos naqueles breves momentos de aula, mostram que o sentimento de pertencimento faz toda a diferença. Muitas crianças fazendo aulas descalças, brigando pra ter aula mesmo em dia de chuva quando a quadra estava completamente alagada.

A experiência mais marcante naquele período foi a oportunidade que o vôlei deu a um menino conhecer pela primeira vez a praia do laranjal. Era janeiro e fizemos um Sacada de Verão, levando as crianças para fazerem aula na praia do laranjal. E ver a alegria de um menino com muitas dificuldades financeiras, ter a oportunidade de conhecer algo que para muitos é corriqueiro mostra que o Sacada já valeu a pena. Os colegas auxiliando, conduzindo de mãos dadas alguém que se maravilhava ao entrar nas águas da lagoa dos patos pela primeira vez. Sim, tinha que ter banho de praia, para coroar aquela tarde mágica que com certeza ficou marcado na memória não só do Gabriel, mas de todos.  Está achando que acabou? Aguarda a próxima coluna do vôlei que tem mais do Sacada Cidadã.

 

Comentários Comente

Diário Popular - Todos os direitos reservados