31 de Dezembro de 2021 - 08h00

MMA: os melhores de 2021

Por: Pluralidade Esportiva

Por Bruno Bohm

Jornalista

Colaborador do Pluralidade Esportiva

Este ano ficou marcado, principalmente, pela volta do público aos eventos, mas também por grandes combates. Tivemos muitos que se destacaram no mundo do MMA. A seguir listamos os principais.

Glover Teixeira e Charles Oliveira

Essa dupla orgulhou o Brasil este ano. Glover se tornou o segundo campeão mais velho da história do UFC. Aos 42 anos, finalizou o polonês Jan Blachowicz, conquistando o cinturão peso meio-pesado (93kg) do evento. Já Charles "Do Bronx" calou a boca dos críticos. Fez uma grande luta contra o até então favorito Dustin Poirier, finalizou o americano e manteve o cinturão dos pesos-leves (70,3kg). Charles provou que tem muito coração além de suas qualidades técnicas.

Juliana Peña

"Quer ser a melhor, vença a melhor". Foi exatamente isso que a americana de origem venezuelana fez. Juliana chegou como a maior zebra do ano e destronou a temida Amanda Nunes. A nova campeã peso-galo (61kg) fez uma grande luta. No segundo round, surpreendeu a brasileira com um festival de jabs, depois vencendo por finalização.

Kamaru Usman

Não tem como deixar de fora o "Pesadelo Nigeriano". Não há dúvidas de que Usman é o campeão mais dominante do UFC hoje em dia, um verdadeiro pesadelo para os adversários.

Em 2021, o campeão dos meio-médios (77kg) nocauteou Gilbert Burns, o Durinho, e Jorge Masvidal (este de maneira brutal) e ainda anotou mais uma vitória sobre o falastrão Colby Covington. Um ano espetacular.

Brasileiros na PFL

Três brasileiros se destacaram e conquistaram o prêmio de um milhão de dólares na Professional Fighters League (PFL), evento de MMA de grande porte realizado nos Estados Unidos.

Nos pesos-pesados, Bruno Cappelloza venceu o croata Ante Delija. Nos meios-pesados, Antônio "Cara de Sapato" Júnior derrotou o norueguês Marthin Hamlet. E, por último, Raush Malfio, que entrou como azarão no torneio, passou por lutadores conhecidos, como Antony Pettis e Clay Colard, chegando à decisão, quando derrotou Loik Radzhabov, do Tadjiquistão.

Que 2022 seja um ano de muita luta! Feliz Ano Novo.

Comentários Comente