Editorial

O Código de Convivência e o debate

01 de Março de 2018 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

A Casa do Povo em Pelotas, a Câmara de Vereadores, crescerá em importância nas próximas semanas a partir do desarquivamento do projeto que institui no município o Código de Convivência. Os comentários e as críticas, hoje em vitrine nas redes sociais e muitos, diga-se, apenas jogados ao vento, darão lugar ao debate aprofundado e necessário ao tema.

E aqui um convite à população. Que conheça com mais detalhes o Código de Convivência, compareça à sede do Legislativo, debata com os vereadores e articule-se nas suas comunidades em defesa dos pontos de vista.

A própria prefeitura reconhece que o projeto pode ser aprimorado a partir da sua ideia central, e isso irá acontecer através de emendas apresentadas pelos parlamentares. Eles são as vozes da população, foram eleitos e estão onde estão hoje para representar os interesses de todos.

A fase de transformar o Código de Convivência num monstro de sete cabeças passou. A partir de agora ele entrará na pauta da Câmara para, ao final do processo de tramitação nas comissões, ser votado em plenário. O quanto terá em seus artigos a opinião popular, dependerá da participação coletiva. Contra ou a favor, é hora de ouvir, falar e se manifestar.

A prefeitura tomou para si boa parte da responsabilidade em torno da segurança pública, serviço até então nas mãos dos governos estadual e federal. Comprometeu-se. Como poderia ter optado pela neutralidade e ficado na cômoda posição de apenas cobrar investimentos em um setor nevrálgico para qualquer governo.

Criou o Pacto pela Paz, aproximou-se de entidades e instituições, envolvendo-as nesse processo, e deu início a uma série de atividades sociais com resultados previstos a médio e longo prazo. O olhar não ficou concentrado apenas nas ações de combate à criminalidade, mas na prevenção e no atendimento das pontas mais vulneráveis.

Defender e criticar o Pacto pela Paz é fácil. Mas é hora de debater e escolher o que pode ser melhor para Pelotas e a segurança de todos.


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados