Artigo

Assim o festival de música constrói a sua história

30 de Janeiro de 2018 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Por: Silvio Bento, Gerente de Cultura do Sesc/RS

Termina a oitava edição do Festival Internacional Sesc de Música. Termina com sabor doce de dever cumprido e gratidão a toda a comunidade pelotense que acolheu e participou mais uma vez deste evento, já parte integrante da identidade local. Cerca de 30 mil pessoas se fizeram presentes entre o Theatro Guarany, a Bibliotheca Pública, as areias da praia do Laranjal, igrejas e espaços comunitários e no largo do Mercado para apreciar a música que ecoava por toda a cidade. Por diversos momentos, administramos a lotação dos espaços, o esgotamento de ingressos e pudemos compartilhar mais tempo com os músicos para atender aos calorosos aplausos que pediam a permanência e um pouquinho mais de suas músicas para acalentar aos ouvidos atentos.

A magia dos acordes embalou Pelotas desde o cortejo de abertura até o concerto de encerramento, durante 12 dias consecutivos de programação intensa. Foram 52 apresentações gratuitas incluindo, além de espaços tradicionais, hospitais, asilos, passeio público, bairros periféricos, centros sociais e até a região colonial. Em todos os lugares, a recepção era calorosa e alegre, uma demonstração de respeito e admiração. E é esse carinho que nos incentiva a preparar todo ano um evento cada vez melhor, com tantas atrações e músicos renomados nacional e internacionalmente.

As palmas são o alimento do artista, assim como o público é o que faz um evento ser ou não um sucesso. Em sua oitava edição, o Festival Internacional Sesc de Música só é o sucesso que é, devido à sensibilidade da população pelotense e visitantes, que fazem questão de aproveitar e valorizar cada apresentação. Só temos a agradecer a Pelotas por ter nos recebido de braços abertos mais um ano e convidar para o nosso próximo encontro, em janeiro de 2019. Obrigado, Pelotas!

 


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados