Opinião

O estressante mundo do poder

30 de Novembro de -0001 - 00h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Por: Carlos Eduardo Behrensdorf

Michel Temer tem inúmeros motivos para ser vítima do estresse. Só pode ser essa a causa para trocar as - digamos - moedas ao dizer no Rio Grande do Sul que “... Ricardo Barros, o ministro da Saúde, tinha feito uma economia de 800 milhões de ‘cruzeiros’”! Cruzeiro Velho ou Cruzeiro Novo? A tensão não dá trégua. Viajar para Portugal com José Sarney, agora um marimbondo com pouco fogo, e com o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o discretíssimo Gilmar Mendes, ao seu lado. E a lembrança de Rodrigo Maia, com aquela cara gorducha de quem saiu do internato, ocupando sua cadeira no Palácio do Planalto?!

Reuniões
O primeiro trecho da entrevista de Fernando Morais, em seu Nocaute, com Julien Assange, fundador do Wikileaks: “Michel Temer participou de reuniões na embaixada dos EUA”.

Assange
“... teve reuniões privadas na embaixada dos Estados Unidos para passar a eles questões de inteligência política às quais muitos não tinham acesso...” Devagar com o andor!

Guerra
As facções do tráfico que se digladiam nos presídios - Primeiro Comando da Capital (PCC) e Comando Vermelho (CV) - buscam lugar de destaque nos cartéis mundiais de drogas.

Rotas
Não lhes falta know how. O Brasil é um dos maiores consumidores de cocaína e derivados do mundo. E mais: somos uma das mais importantes rotas de distribuição da droga.

Domínio
Daqui saem os carregamentos para outros continentes. Os dois grupos agora guerreiam por um objetivo maior: disputam o domínio do tráfico nos países vizinhos.

Chefões
Assim, teriam o controle de enormes mercados consumidores, distribuidores e produtores, o que caracteriza um cartel. Resumindo: um mercado mundial da droga. Chefões poderosos.

Vizinhos
Paraguai, Equador, Peru, Colômbia e Venezuela são os maiores produtores da América do Sul e ligados à rota global de drogas. O Brasil está aí por terra, mar e ar.

Produção
Os órgãos de informação apuraram que os chamados PCC e CV disputam contra grupos locais desses países o controle da produção. O fato não é novidade. O assunto é público.

Trânsito
Se conseguirem o controle, será praticamente impossível impedir o trânsito pelos 16.886 km de fronteiras que o Brasil tem com os países do continente.

Pesquisa
No início da década de 1980 fiz uma entrevista com estudioso do assunto. Sua pesquisa mostrava que o Brasil produzia droga, consumia e exportava. Era o chamado “três em um”.


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados