Artigo

Coisa de pelotense

08 de Novembro de 2017 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Por: Marcelo Bertholdi Oxley, jornalista colaborador

Confesso: também gosto daquela máxima, em que os únicos que podem criticar uma cidade são os seus próprios filhos. Faço parte deste bolo, a amo, reprovo e também elogio.

Mas o pelotense, ou melhor, alguns pelotenses conseguem nota máxima neste assunto. Para eles se a prefeitura pintasse um muro de azul, o ideal seria o vermelho. Se a cor fosse vermelha, o melhor seria o azul.

Levamos algum tempo para desmistificar algumas características históricas sobre a nossa cidade, como por exemplo: terra da soberba ou do "torcer" para que nada dê certo. Quando novo já ouvia, de uma lendária esquina famosa, muitas pessoas confabulando, minimizando algo que pudesse ser produtivo a Pelotas.

Vivíamos num constante caos, briga de foices, quando a rótula do Shopping Pelotas não possuía um semáforo. Neste momento o importante era o motor do seu automóvel ou motocicleta; eles precisavam ser rápidos, potentes. Pedestres e ciclistas necessitavam de alguma reza, para conseguirem algum resultado. Hoje, o tráfego parece estar mais digno, lúcido. Todavia é preciso uma readaptação ao local de todos e isto causa certo descontentamento, aceitável, em muitas pessoas.

O "duríssimo aborrecimento", agora, é o tempo em que o semáforo disponibiliza e alguns acessos, das vias, que estão proibidos em direção ao shopping. Porém estes insatisfeitos, quando estão em Porto Alegre, gozando de suas férias ou indo a algum evento (deixando um pouco do seu dinheiro), não reclamam da distância de um retorno ou o tempo de um semáforo. Entendo que a comparação pode ser desleal, por outro lado, a paciência que há pela capital me parece bem diferente e muito mais amena.

Um detalhe é você se queixar sobre uma reforma, como fora realizada na Rua General Osório. A mesma prejudicou o comércio local, devido ao atraso nas obras. Outro é você ignorar que algo pode estar sendo feito, para melhorar o fluxo de dentro da sua própria cidade. Quando houve o remodelamento no estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, o time local jogou algumas partidas com a capacidade reduzida e muitos torcedores, de Pelotas, foram ao estádio e acharam divina tais modificações.

Devemos amar um pouco mais Pelotas e tudo o que estiver sendo realizado. Por outro lado, reivindicar quando houver algo que não esteja sendo desempenhado de maneira correta e que venha a impedir o bem-estar do seu cidadão.
Pelotenses, apenas "nós" podemos criticar, mas tenhamos um pouco mais de serenidade a nossa querida Pelotas.


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados