A Saúde de Pelotas, o Pronto-Socorro e Neymar

11 de Agosto de 2017 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Por: Antonio Cesar G. Borges, ex-reitor da UFPel e médico 

A manchete "Mudança fechará leitos hospitalares" em Morro Redondo, Santana da Boa Vista, Herval e Amaral Ferrador veiculada no Diário Popular em 5 e 6 de agosto último e a notícia sobre a bilionária transferência de Neymar do Barcelona para Paris chamaram a atenção.

O fechamento de 82 leitos hospitalares na zona sul após relatórios técnicos, mais do que benefício econômico ao Estado, resultará em prejuízos ao funcionamento do Pronto Socorro de Pelotas. Para esta unidade de urgência serão enviados os pacientes das UPAS (Unidades de Pronto Atendimento) daqueles municípios. Os enfermos passarão a ser agregados a outros que já se encontram nas macas e nas cadeiras em corredores superlotados do nosso Pronto Socorro. Ali são ministrados os medicamentos, realizadas as refeições, trocados curativos e feitas as remoções de seus dejetos. Afinal, tudo isso devido a longa espera por um leito do SUS nos hospitais conveniados.

As cidades de porte médio são referência em saúde para os municípios vizinhos. Nos Prontos Socorros todas as pessoas são atendidas no tempo possível. Porém, quando ocorre uma parada cardíaca naquele ambiente de gravidade e angústias, é preciso interromper a prestação de serviço aos demais pacientes. O motivo é simples: o plantão se constitui de somente 2 médicos e as verbas para a saúde não permitem contratar mais médicos e enfermeiros.

Se no Brasil houvesse uma boa distribuição de dinheiro sem desvios injustificados, todas as pessoas teriam o atendimento digno prestado pelos médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e serviços de apoio, os quais seriam todos corretamente remunerados por seu trabalho. Entretanto, em um país injusto e em crise como o nosso resta aos gerentes da saúde tomarem iniciativas de pequena abrangência apenas na expectativa de reduzir gastos.O fechamento de leitos na zona sul é exemplo disso.

Quatro décadas de experiência em neurologia e neurocirurgia de urgência me tornaram cético quanto às mudanças pontuais para minimizar custeios para o sofrido SUS. Ademais, sou cético quanto à melhoria na infraestrutura do atual Pronto Socorro de Pelotas que permanecerá pequeno para uma população tão grande. Sou cético quanto aos reajustes para que os hospitais atendam suas demandas, assim como sou cético quanto aos benefícios que as UPAS deverão trazer ao Pronto Socorro a médio ou longo prazo.

Lamentavelmente tudo indica que o clínico geral, o obstetra e o pediatra continuarão recebendo a quantia de R$ 2,16 (dois reais e dezesseis centavos) por uma consulta ambulatorial. O cuidador de carros na volta do Café Aquários ganha muito mais do que isso e nunca precisou estudar seis anos de Medicina e nem mais três ou quatro de Residência Médica. Os hospitais continuarão recebendo o valor de R$ 818 ( oitocentos e dezoito reais) para suprir o bloco cirúrgico de pessoal técnico, medicamentos, esterilização e equipamentos capazes de permitir a remoção de um coágulo intracraniano. O neurocirurgião e o anestesista responsáveis pela operação deverão receber R$ 682 (seiscentos e oitenta e dois reais), que será dividido entre ambos. Ainda sobre esses valores será procedida a tributação do Imposto de Renda. Este e outros exemplos dramáticos passaram a ser rotineiros.

Porém, meu ceticismo não eliminou meus sonhos. Continuo sonhando com um novo Pronto Socorro Municipal, amplo, limpo e sem macas em seus corredores, atendido pela mesma equipe eficiente e dedicada de médicos, enfermeiros, técnicos e pessoal de apoio que hoje salvam tantas vidas.

No meio deste sonho a estrondosa notícia sobre a bilionária transferência de Neymar do time espanhol para Paris fez com que meu pensamento estupidamente viajasse nos números do jogador mais caro do mundo: "Neymar vai para o PSG com salário anual de 148 milhões de reais" dizia a manchete em outro jornal, sem incluir ganhos com publicidade. De pronto, me perguntei "Como pode alguém gastar tanto em um mês, a não ser investindo na Bolsa para ganhar ainda mais ? ou comprando 4 ou 5 aviões particulares ao longo do ano ?"

Enquanto buscava respostas, lembrei-me das restrições de dinheiro para a saúde e o valor das consultas do SUS. Ao mesmo tempo pensei coisas absurdas, estúpidas e hilariantes, tais como uma carta subscrita pelos secretários de saúde ao nosso ídolo do futebol em Paris na busca de ajuda para a construção do Pronto Socorro Municipal. Ou ainda uma carta para os representantes do povo em Brasília para a elaboração de uma lei capaz de retirar uma pequena e insignificante parte dos salários de detentores de grandes fortunas ou das mesadas de nossos craques mais famosos para ser investida em saúde.

Contudo, ao término dessas reflexões, percebi que dificilmente ocorreriam mudanças diferentes daquela do fechamento dos leitos hospitalares e que nos próximos plantões continuarei percorrendo os corredores do Pronto Socorro repleto de gente como todos nós a busca de cura e de esperança. Mas, de um jeito ou de outro, sempre vale a pena sonhar.

NOTA - Os valores pagos por procedimentos cirúrgicos pelo Ministério da Saúde podem ser vistos no DataSus ou o aplicativo pSUS na internet.


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados