Estilo
Crônica

O laço de Valentina

11 de Novembro de 2017 - 06h00 Corrigir A + A -

Duas vezes por mês faço o trajeto Pelotas x Porto Alegre x Bento Gonçalves. A vida escolheu, a gente vai levando. É uma viagem maçante, sobretudo o trecho capital x Serra, o ônibus vai pingando, o motorista grita a cada cidade, as pessoas entram e dormir é impossível. Na última, porém, eu não quis apagar. Valentina sentou ao meu lado. Ela tinha três anos.

No ônibus percebo que na minha poltrona está menina de laço preto no cabelo e meio desconfortável, querendo correr e ao mesmo tempo deitar. A mãe, me vendo, pede para que ela sente em seu colo. Meio assim, olho ao redor na esperança de encontrar lugar vago e evitar a situação horrível da criança me odiar eternamente. Nada.
Sento, as duas ficam ao lado. Visitariam a avó, pego da conversa. Valentina está feliz com isso e agita-se e canta cantigas infantis. Sei todas, tenho afilhada da mesma idade, e sorrio para ela, que retribui. A mãe, outra querida, resolve agir e oferece uma mamadeira, para garantir o sono e evitar o estresse de amargurados olhando torto para a menina. Valentina dorme, eu também.

Acordo algo como uma hora depois e esse ônibus não pinga tanto, Bento Gonçalves não parece tão distante, e Valentina nana em meu ombro. Nem me mexo. Começo a pensar o porquê de, em tão pouco tempo, ter me apegado tanto àquela menininha com quem zero palavras troquei. Tem ela ser naturalmente fofa, tem parecer com a minha afilhada que amo tanto. Mas não sei, gosto de acreditar que há mais, não tem por que viver tão preto e branco. Valentina me passava energia bonita demais com a cabeça em meu ombro. Eu acredito. Sem conhecê-la, queria oferecer meu casaco para que tivesse mais conforto, mas minutos antes já havia dito que dava para desligar o ar, a mãe não sabia, achei que seria demais.

Ficamos assim, eu e essa desconhecida que já considero pakas. Até que a mãe a acorda. Chegaram em Garibaldi, destino final. Valentina vai embora em seus braços e me acena. Já sinto saudades.

Comentários Comente

REDES SOCIAIS

Diário Popular - Todos os direitos reservados