Vandalismo

Carta-testamento de Getúlio Vargas pode ser recolocada em agosto

Monumento em memória ao ex-presidente foi depredado e placa com texto redigido antes de seu suicídio foi roubada há cerca de dois anos

13 de Junho de 2018 - 10h37 Corrigir A + A -
Placa com texto escrito pelo ex-presidente antes de seu suicídio já foi roubada duas vezes (Foto: Jô Folha - DP)

Placa com texto escrito pelo ex-presidente antes de seu suicídio já foi roubada duas vezes (Foto: Jô Folha - DP)

A carta-testamento do ex-presidente Getúlio Vargas, redigida horas antes de seu suicídio e com mensagens ao povo brasileiro, virou monumento em Pelotas e outras cidades do Rio Grande do Sul durante o governo de Leonel Brizola (1959-63). No entanto, a placa com o texto, localizada junto com o busto de Vargas na rua 15 de Novembro, quase na esquina com Marechal Floriano, foi roubada há cerca de dois anos. E não foi a primeira vez.

A original, de cobre, já havia sido furtada, recorda o professor aposentado da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), José Plínio Guimarães Fachel. Então membro do Núcleo de História Regional da universidade, ele participou da recriação da placa, recolocada em 2007. O material passou a ser de alumínio, por possuir menor valor comercial e para tentar evitar novos roubos.

O problema é que esta nova placa sofreu com depredações de vândalos, até ser, por fim, roubada há cerca de dois anos. O professor lamenta o prejuízo social da falta do registro histórico no espaço público. "As pessoas acabam se acostumando com a ausência do patrimônio", lamenta, destacando ser preciso entender o monumento para cuidá-lo. Na última vez, ele diz ter contado também com apoio da comunidade para a restauração, pois profissionais pelotenses fizeram o trabalho por valores mais baixos.

O vereador Marcus Cunha, presidente do PDT em Pelotas, partido criado por Brizola e com o legado de Vargas como um dos principais pontos, lamentou o vandalismo. Também com formação em História, ele destacou a importância da mensagem para a criação da identidade trabalhista do país. "Ela é um manifesto para a formação do povo brasileiro", destaca, afirmando que o texto segue atual, como um grito de independência do país. Ele se refere a Vargas como o presidente que industrializou o país, apontando suas ideias como essenciais para lidar com tempos de crise.

Nova placa
Cunha afirma já ter tido cinco reuniões com a prefeitura, entre Secretaria de Cultura (Secult), prefeita e Secretaria de Governo, nos últimos tempos, pedindo para a placa ser novamente confeccionada e posta junto ao busto de Getúlio Vargas.

Titular da Secult, Giorgio Ronna diz que a nova placa já foi solicitada e será feita com o material ACM, de baixo valor comercial, para evitar roubos, mas visualmente similar ao bronze, com letras gravadas a laser. Clotilde Vitória, secretária de Governo, diz que o gasto com a confecção ficou em torno de R$ 1.480,00. A colocação deverá ser feita por funcionários do município.

O PDT espera contar com a placa até o dia 24 de agosto, quando se completam 64 anos da morte de Getúlio Vargas. Marcus Cunha pretende fazer um evento na reinauguração, com diversas autoridades do partido presentes. Clotilde Vitória diz que a prefeitura espera uma data com significado para o relançamento e acredita que o aniversário de morte do ex-presidente é viável. O busto deve passar por limpeza para o evento.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados