Alternativas

Mais opções no Mercado Central

Processo para preenchimento de bancas ociosas está chegando ao fim

08 de Março de 2018 - 08h00 Corrigir A + A -
Vera Venzke trabalha no Mercado Central desde a reinauguração do local, em 2013 (Foto: Jô Folha - DP)

Vera Venzke trabalha no Mercado Central desde a reinauguração do local, em 2013 (Foto: Jô Folha - DP)

Doze bancas vazias devem ser preenchidas em breve  (Foto: Jô Folha - DP)

Doze bancas vazias devem ser preenchidas em breve (Foto: Jô Folha - DP)

O Mercado Central de Pelotas contará com novos estabelecimentos em breve. O processo de seleção de permissionários, iniciado em janeiro, está chegando próximo ao fim. Os envelopes com as propostas dos interessados nas 12 bancas vazias serão abertos nesta quinta-feira às 14h pela Comissão Especial de Licitação na Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag).

Quem já trabalha no local garante que é um bom negócio. "O Mercado cresce cada vez mais", garante a comerciante Vera Venzke. Ela e as filhas têm uma doçaria no Mercado Central desde a sua reinauguração, em 2013. O movimento, segundo ela, é forte, mas para vender não basta ter clientes. "É preciso ter persistência e trabalhar muito", fala, com a experiência de quem mantém a banca aberta todos os dias.

Cada banca é destinada a um tipo específico de serviço. Os 12 espaços licitados contemplam as áreas de gastronomia (restaurantes, doçarias e lancherias) e comércio (artesanatos, suvenir, correaria, especiarias, produtos coloniais, produtos orgânicos, congelados, doces, camping ou tabacaria). De acordo com Lisandra Cardoso, diretora de desenvolvimento e turismo do município, o setor mais procurado é o que envolve a alimentação.

O valor dos aluguéis varia de acordo com o tamanho das bancas. A menor delas, de 7,66 m², sai por R$ 909,10 ao mês e tem o valor de outorga a partir de R$ 3.636,42. Já o espaço para restaurante tem acesso pelo largo Edmar Fetter e sua área total é de 38,9 m². Ele é o mais caro, com aluguel de R$ 1.812,14 e preço mínimo de outorga de R$ 7.248,60.

Os interessados tiveram até a última terça-feira para realizar as visitas técnicas, passo imprescindível para se candidatar a uma das bancas. Vencerão a concorrência pública aqueles que apresentarem os maiores valores de outorga para as locações. Os novos permissionários devem ficar por cinco anos no espaço, prazo que pode ser prorrogado.

Próximos passos
Após o julgamento dos possíveis recursos e declarados os novos ocupantes das bancas, estes terão um prazo de 20 dias para apresentar o projeto do estabelecimento. A administração terá dez dias para aprovar ou não o que lhe foi apresentado. Depois da aprovação, o permissionário terá 30 dias para iniciar as atividades. O planejamento do local deve estar de acordo com o Caderno de Obrigações, parte integrante do regulamento do Mercado Central.

Finalidade das bancas
A banca 42 será ocupada por uma doçaria, a quatro é destinada a um restaurante e a nove será uma lancheria. Atividades de comércio serão alocadas nas lojas 53, 56, 59, 61, 67, 69, 70, 77, 83.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados