Capacidade

ETA São Gonçalo está a caminho

Estação de Tratamento de Água será entregue em janeiro de 2019; atualmente, 60% das obras estão prontas

09 de Fevereiro de 2018 - 23h11 Corrigir A + A -

Por: Tânia Cabistany
taniac@diariopopular.com.br 

Em funcionamento, ETA poderá atender até 170 mil pessoas (Foto: Gabriel Huth - DP)

Em funcionamento, ETA poderá atender até 170 mil pessoas (Foto: Gabriel Huth - DP)

Até o final do ano estará concluída a parte de engenharia da Estação de Tratamento de Água (ETA) São Gonçalo, hoje em 85%. A obra total, que está em 60%, tem previsão de término para janeiro de 2019. A finalização já foi adiada três vezes. O prazo inicial era julho de 2017 e depois junho de 2018, mas houve atrasos devido a barreiras surgidas durante o andamento do projeto, além da instabilidade do tempo. Quando em funcionamento, a ETA terá capacidade para abastecer 170 mil consumidores.

De acordo com o engenheiro civil do Sanep, Cláudio Jardim, na parte civil faltam as travessias do Arroio Fragata e da linha férrea que passa pelo Simões Lopes. Como houve modificação de projeto, ainda são feitos serviços de terraplanagem. Pelo prazo original já estaria pronta há um ano e meio, mas foi preciso reprogramar o cronograma em razão da incompatibilidade de projetos e melhorias.

A obra é realizada já com a possibilidade de duplicar futuramente a capacidade da ETA São Gonçalo, investimento de R$ 42 milhões, com recursos do PAC Saneamento e contrapartida do município. Só a tubulação conta com a aplicação de R$ 14 milhões. Jardim explica que a tubulação de água bruta captada não aparece, mas passa pelo prédio de regulagem, bloco hidráulico onde estão os tanques com elementos químicos para tratamento, que funciona atrás dos laboratórios. Após, vai para o espaço de cloração e reservatório, que lança a água para a cidade.

Prevista para atender o Centro e os bairros Areal, Três Vendas e Porto, a ETA também vai melhorar o fornecimento de água no Laranjal e viabilizar mais pressão nos reservatórios. “Vai ajudar todo mundo”, resume Jardim.

Iniciada em julho de 2015, a obra, que é bastante complexa, enfrentou alguns obstáculos. Em dezembro de 2016 a implantação da tubulação do reservatório R1, ao longo da praça Cipriano Barcellos, foi barrada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) devido à presença de um sítio arqueológico no interior da praça, próximo do local da escavação da adutora. Após, o órgão liberou a continuidade do projeto, respeitando os limites para garantir a preservação dos materiais.

Números

-Investimento de R$ 42 milhões

-Geração de 75 empregos diretos

-Reservatório de água tratada terá capacidade para 4 mil m³ (equivalente a quatro milhões de litros)

-Terá capacidade para abastecer 170 mil consumidores, com possibilidade de liberar 500 litros por segundo

-Obras se iniciaram em julho de 2015 e devem ser finalizadas em janeiro de 2019


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados