Empregos

Grupo luta por Termelétrica de Rio Grande

Empreendimento pode gerar até 2,5 mil empregos

09 de Fevereiro de 2018 - 18h45 Corrigir A + A -
Da esquerda para a direita: prefeito Alexandre Lindenmayer (PT),  Romeu Rufino, diretor geral da Aneel, senadora Ana Amélia Lemos (PP) e secretário-chefe da Casa Civil, Fábio Branco (MDB)  (Foto: Divulgação - DP)

Da esquerda para a direita: prefeito Alexandre Lindenmayer (PT), Romeu Rufino, diretor geral da Aneel, senadora Ana Amélia Lemos (PP) e secretário-chefe da Casa Civil, Fábio Branco (MDB) (Foto: Divulgação - DP)

Uma comitiva representando o município de Rio Grande foi até a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) na quinta-feira. Na pauta, a Usina Termelétrica de Rio Grande (UTE), que teve a outorga cassada pela Agência no final do ano passado.

O grupo pediu para que a Aneel aguarde até março para reavaliar a decisão. O tempo é necessário para que as empresas reúnam os documentos necessários para a liberação do empreendimento.

Desde que foi cassada a outorga, autoridades e entidades de Rio Grande se articulam para que seja revertida a decisão, uma vez que a empresa New Fortress Energy demonstrou interesse em assumir o empreendimento. Inicialmente a UTE foi liberada para o grupo Bolognesi, que desistiu do negócio e gerou o imbróglio.

O investimento previsto no município é de R$3 bilhões e a geração de emprego pode alcançar 2,5 mil vagas diretas e cerca de 5 mil indiretas.

A comitiva formada pelo prefeito de Rio Grande, Alexandre Lindenmeyer (PT), presidente da Câmara de Vereadores, Flávio Maciel (SDD), e o secretário chefe da Casa Civil, Fábio Branco (MDB) e o coordenador do Movimento Aliança Rio Grande e presidente da Câmara de Comércio Antônio Carlos Bacchieri Duarte.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados